Filipa Gomes: «Temos cada vez mais orgulho no nacional»

Acaba de lançar um livro, tem novos episódios de «Cozinha Com Twist» (24 Kitchen) e foi convidada pelo Hard Rock Café Lisboa a criar quatro hambúrgueres só com produtos locais. Ninguém para Filipa Gomes.

 

Foi difícil criar, entre outubro e janeiro, quatro hambúrgueres só com produtos locais no Hard Rock Café Lisboa, como parte da iniciativa mundial Test Kitchen?
É um projeto arrojado, por ser uma cadeia grande, americana, com regras e uma máquina já oleada. O convite também o recebi com surpresa. Não sou chef do ponto de vista académico, sou cozinheira, apesar de já ter alguma experiência. Mas foi um match perfeito. Sou a primeira a defender os produtos locais e a nossa comida. E ver uma marca como esta querer ser mais portuguesa é um grande elogio.

 

Em janeiro chega o quarto hambúrguer, o Tropicalíssimo. Que ingredientes leva?
Já tivemos o Mexerico, o Ó Capitão, o Ultra Tuga e agora temos este, feito em pão saloio. Leva carne de vaca nacional, da zona Centro, criada à solta e de forma sustentável, ananás dos Açores e queijo da ilha de São Miguel.

 

Como tem sido o feedback de portugueses e turistas?
Muito positivo. Um português, quando os come, sente que está em casa. Para os turistas, é um ótimo cartão-de-visita do nosso país. Estamos a mostrar que Portugal faz coisas muito boas. Até o hambúrguer de atum [Ó Capitão, de outubro] resultou muito bem, mesmo com crianças.

 

A produção local é a chave no projeto Test Kitchen. Quão importante é na indústria da gastronomia?
Muitíssimo. Temos que apoiar os pequenos produtores. Sem eles, o que é nosso, e que está na nossa raiz e génese, acaba por morrer. Ainda assim, temos cada vez mais orgulho no que é nacional.

 

Na televisão, acaba de estrear no canal 24 Kitchen a segunda temporada de Cozinha com Twist. Que balanço faz até agora?
Estou a gravar que nem louca! [risos] Fazer programas é muito intenso e cansativo, ainda por cima com este programa, no qual tenho muito maior envolvimento. Dá mais trabalho mas as coisas ficam mais nossas. Sai do pelo, mas compensa. São 44 programas. Este formato é mais a minha cara do que o Prato do dia. Sou muito portuguesa, amo a comida portuguesa e não podemos esquecer-nos de como esta se faz. Mas aqui mantemos o tradicional e damos-lhe um twist.

 

Além disso, acaba de lançar o Prato Do Dia em livro, com receitas do programa.
Sim, é um livro para todos, dos 8 aos 80. Hoje, as pessoas estão muito mais despertas para a cozinha. Na apresentação do livro, foi incrível ver que o público me trata como se fosse da família, porque entro em suas casas todos os dias. Foi emocionante, com choro e tudo.
Tome nota:
Editado pela Casa das Letras, Prato do Dia junta em livro oitenta receitas «para comer e ser feliz», como define a apresentadora do programa do 24 Kitchen (224 páginas; 19,90 euros). O hambúrguer Tropicalíssimo está disponível no Hard Rock Cafe Lisboa até 31 de janeiro (15 euros). A nova temporada de Cozinha com Twist já está a ser exibida no canal por cabo 24 Kitchen.

 

Leia também:

Estes petiscos da Póvoa têm o cunho de uma Masterchef
A receita de arroz de cabidela da chef Paula Paliteiro
Nostalgia saborosa: recordar os primeiros ‘chefs’ da TV