Quiz #20: «O Dão é um diamante em bruto — muitos e bons vinhos»

Beatriz Cabral de Almeida, enóloga na Quinta dos Carvalhais/Sogrape
A Sogrape comprou a Quinta dos Carvalhais, a 30 quilómetros de Viseu no planalto beirão, em 1988, mas o verão de 2014 ficou na história de Beatriz Cabral de Almeida: foi a sua primeira vindima a solo logo após o nascimento do seu terceiro filho. Formada em Microbiologia, com um Mestrado em Viticultura e Enologia, Beatriz mantém-se como a enóloga de serviço, apostada cada vez mais em trabalhar com leveduras autóctones que lhe permitem intensificar a identidade do Dão nos vinhos ali produzidos.

Uma cozinha para todos os dias?
A minha mãe é a minha principal inspiração, não só no dia-a-dia como mãe e mulher, mas também na cozinha. Não passo sem os seus pratos, cheios de sabor a amor!

Na hora de comer fora, o que pesa mais: o fator novidade, a comida, o nome do chef ou o boca a boca?
Quando vou a um restaurante, é a essência do local e a comida que me movem — se os pratos desse restaurante tiverem sido comentados positivamente e recomendados, tanto melhor! Mas confesso que também valorizo muito o boca a boca hoje em dia.

Uma dica infalível para não errar na escolha do vinho?
O meu dia-a-dia é trabalhar com vinho, por isso na hora de escolher, num restaurante ou num wine bar, gosto de ser surpreendida. Gosto particularmente que me aconselhem tanto o prato, como o vinho. Geralmente peço vinho a copo, pois caso pretenda provar mais do que um, torna-se mais fácil.

Um vinho que não lhe sai da cabeça?
Um vinho no qual penso todos os dias, por gostar muito dele e pelo desejo que tenho de o partilhar com todos rapidamente. É um vinho tinto de 2015, que tenho ainda em barricas, e que será apresentado no próximo ano.

Qual o maior trunfo dos vinhos portugueses?
Portugal prima pela diversidade — de regiões, de castas e, consequentemente, de vinhos. É impressionante como um país tão pequeno pode ser tão rico e diferente, capaz de originar vinhos tão diversificados, únicos.

O que nunca pode faltar na sua despensa/frigorífico/adega?
Numa casa na qual tanto eu como o João (o meu marido) somos enólogos, não pode faltar vinho, nem na despensa nem no frigorífico. Como a Beatriz, a Francisca e o Zé Maria ainda são pequenos, não pode faltar também uma boa sopa de legumes da bisavó e um doce caseiro.

Qual a região, ou as regiões portuguesas, que ainda nos vão dar muitas alegrias?
Acredito que todas as regiões do país têm ainda surpresas a mostrar. Enquanto enóloga no Dão, não posso deixar de mencionar a alegria que sinto todos os dias quando me apercebo do potencial desta região e do trabalho ao nível dos vinhos, das cidades envolventes e de marketing que ainda é possível fazer. O Dão é um diamante em bruto, que sem dúvida continuará a dar-nos muitos e bons vinhos!

O paladar, educa-se?
Em 2003, quando terminei o curso de Microbiologia, não sabia nada sobre vinhos. Foi com o João e alguns dos seus amigos que comecei a provar e a consumir vinho, pensando realmente naquilo que estava a fazer. No Mestrado de Viticultura e Enologia aprendi muito, aprofundei bastante a teoria sobre vinho e vinha, mas, sobretudo, aprendi a provar. Naturalmente aprende-se a provar desde pequenino, todos os dias, pela exposição a sabores e experiências desconhecidas ao palato. Mas a verdade é que ainda hoje, durante provas com colegas da empresa ou outros enólogos, aprendo algo novo neste mundo interminável de sabores.

Um vinho que ainda está na sua bucket list?
Ui! Há vários… Mas para referir um mais fácil de alcançar, talvez um bom branco da Borgonha! Acho-os fantásticos pela sua elegância!

Um prato com sabor a infância?
Fecho os olhos e lembro-me dos domingos passados em casa dos meus avós quando era pequena. Ao jantar, numa mesa cheia de primos, tínhamos sempre ovos mexidos com arroz branco e ketchup! Uma delícia! Outra memória remete-me para a casa da minha avó paterna, quando era recebida com um “bacalhau à espanhola”. A vida é feita de boas memórias, que gosto de recordar!

Pode saber mais mais sobre a Quinta dos Carvalhais (e sobre os seus vinhos), aqui.

[Sigam-me também no Instagram para mais estórias visuais]



CONTEÚDO PATROCINADO