Muita tradição, arte e boa comida em Bragança

A maior cidade da Terra Fria transmontana é um postal com um castelo dentro, que merece que se entre por ele para sentir na pele a boa energia desta terra mimosa. Bragança dá-nos o que esperamos de Trás-os-Montes: o consolo de bem comer e bem estar. Em tempo de Entrudo, que aqui é celebrado com tradições milenares, vale a pena redescobrir o canto mais a nordeste de Portugal.

Por Bragança, toda a gente vai dizendo o mesmo, e escolhemos citar Ana Luísa Pereira, coordenadora do Serviço Educativo no Museu Abade de Baçal, para resumir a voz coletiva: «Não há muita gente nesta cidade, mas é um lugar muito bom para viver». É que parece isso mesmo, de facto, quando se começa a passear pelo centro histórico, percorrendo as margens do rio Fervença transformadas em sala de estar, ou se dá uma volta pelo Largo da Sé, e se vai daí ao castelo, passando por um belo corredor de museus.

No centro histórico, há mercearias tradicionais onde se pode comprar vinho e azeite, alguns produtos transmontanos em versão gourmet e ainda as famosas navalhas do Palaçoulo. Ou as robustas botas transmontanas feitas à mão, penduradas à porta dos sapateiros. Ao mesmo tempo, encontram-se novidades como a Galeria História e Arte, com obras de artistas locais, incluindo as inquietantes esculturas de ferro do próprio dono, o escultor João Ferreira.

E em geral apreende‑ se a energia boa que emana desses brigantinos como Ana Luísa, que se têm amparado nas boas velhas tradições da sua terra para criar uma oferta de experiências e cultura de travo mais contemporâneo. A cidade parece empenhada em regenerar‑se para uma versão melhorada de si mesma, com muitas das velhas casas solarengas em recuperação, sendo que uma delas estreou recentemente um novo uso, albergando o novo Centro de Interpretação Sefardita do Nordeste Transmontano.

Fica na Rua Abílio Beça, percurso incontornável para quem quer conhecer esta Bragança inquieta e parte da escalada que liga a Sé ao castelo. «Esta vai ser a rua cultural de Bragança», diz Jorge Costa, diretor do Centro de Arte Contemporânea Graça Morais (CAC), que fica logo no início da Abílio Beça. Esse futuro, contudo, parece estar já a acontecer. O CAC abriu portas em 2008, depois de anos de para‑arranca, com um projeto de Souto de Moura para a recuperação daquele palacete é, ela mesma, uma obra a apreciar.

O Centro de Arte Contemporânea Graça Morais é dedicado a esta pintora transmontana, mas não só

O centro é primordialmente dedicado à pintora transmontana, mas não só, já que ali estacionam, por exemplo, exposições do Museu de Serralves, no Porto. A obra de Graça Morais é rainha, mas há ainda trabalhos de João Jacinto, Paula Rego, António Carneiro e Julião Sarmento, entre outras, e, a abracá‑las todas, o traço do arquiteto que também se deve seguir para ter a surpresa de, nas traseiras do edifício, sentir que ele invade a rua através de uma caixa de betão e vidro.

Uns metros abaixo, no número 75, entra‑se numa casa recuperada que acolhe um lugar expositivo nascido do encantamento de um fotógrafo francês por Trás-os-Montes. Trata‑se do Centro de Fotografia Georges Dussaud, ele que foi amigo de Miguel Torga, e muitas das fotografias em exibição evocam também essa amizade. Dussaud doou a Bragança o seu espólio de cerca de trezentas fotografias, tiradas entre 1983 e 2014.

Na mesma rua, encontra‑se o Museu Abade de Baçal e em poucos lugares haverá tanto e tão variado para ver, mercê das coleções próprias e de parcerias com entidades como o Museu da Presidência. Lá dentro, além de mais um magnífico palacete recuperado para conhecer a partir das entranhas, há coleções de arte sacra, porcelana e arte contemporânea, com obras de Abel Salazar e Almada Negreiros.

O Museu Ibérico da Máscara e do Traje exibe dezenas de máscaras tradicionais de Bragança e da região.

Dali, é seguir até chegar ao castelo, admiravelmente preservado, valendo bem a pena uma visita ao Museu Militar situado numa das torres, que se vai subindo à laia de viagem no tempo através das armas e outras peças da vida defensiva da nação, desde a constituição do reino até à II Guerra Mundial. E ainda, dentro da cidadela, sair‑se encantado do pequenino Museu Ibérico da Máscara e do Traje, que exibe dezenas de máscaras tradicionais de Bragança e da região.

E visto o que há que ver, outras lides prazerosas levam-nos à outra banda da cidade, passando por um novo lugar onde comer pratos feitos de cogumelos da região, em ambiente de simplicidade, criado por dois amigos e um cozinheiro suíço inspirado – o Batoque. E subir a encosta para a pousada, onde outros brigantinos dão asas à sua inquietação criativa, com os pés bem assentes na sua terra.

António e Óscar Gonçalves, filhos do casal fundador d’O Geadas, um dos restaurantes mais antigos e bem referenciados. Os dois filhos – o mais velho, chefe de cozinha, o outro, gestor hoteleiro – decidiram catapultar a marca de família para outro patamar. Em parceria com o grupo Pestana, assumiram há dois anos a gestão da Pousada de São Bartolomeu, um edifício de 1959, projetado pelo arquiteto João Loureiro numa encosta de Bragança de onde se avista, com privilégio, o castelo e o centro histórico de todos os quartos, tal como das janelas do Restaurante G – onde fizeram o investimento de algum risco de criar cozinha de autor, apenas assente em produtos regionais de alta qualidade.

A Pousada de São Bartolomeu está num edifício de 1959, projetado pelo arquiteto João Loureiro

É uma viagem sensorial à terra que produz pão e azeite – os básicos por onde começa a degustação –, cogumelos, carnes autóctones, frutos secos, ervas aromáticas e vegetais, alguns deles recuperados de usos passados, todos escolhidos a dedo, matéria-prima para as composições de Óscar. António, por seu turno, faz as honras da sala, sendo um prazer escuta-lo contar a história e a origem de cada ingrediente.

Circulando pela pousada, dá igual gosto ouvi-lo contar pormenores sobre cada objeto, incluindo o mural de azulejos de Júlio Resende, antes tapado pela decoração, agora posto em evidência. Se ali, na parte hoteleira, a ideia é preservar o conforto, o estilo e o acolhimento «do início das pousadas», já no G, o que se pretendeu foi uma rutura, passar do «conceito de regionalidade para o conceito de contemporaneidade», como diz António. E o que parece é que fala, afinal, de toda a cidade de Bragança.

 

Partilhar
Partilhar
Mapa da ficha ténica
Morada
Rua do Loreto, Bragança
Telefone
273324413
Horário
Das 12h00 às 15h00 e das 19h00 às 22h00. Encerra domingo ao jantar
Custo
() Preço médio: 28 euros


GPS
Latitude : 41.8012017
Longitude : -6.762225899999976
Partilhar
Mapa da ficha ténica
Morada
Rua Estrada do Turismo, Bragança
Telefone
273331493
Custo
() Quarto duplo a partir de 80 euros (inclui pequeno-almoço)


GPS
Latitude : 41.7965771
Longitude : -6.760648500000002
Partilhar
Mapa da ficha ténica
Morada
Rua Abílio Beça, 75-77, Bragança
Telefone
273324092
Horário
Das 09h00 às 17h30. Não encerra
Custo
() Entrada livre


GPS
Latitude : 41.8060336
Longitude : -6.754520299999967
Partilhar
Mapa da ficha ténica
Morada
Rua Abílio Beça, 105, Bragança
Telefone
273302410
Horário
Das 10h00 às 12h30, e das 14h00 às 18h30. Encerra à segunda
Custo
() 2 euros, grátis crianças até 10 anos


GPS
Latitude : 41.8060461
Longitude : -6.756008500000007
Partilhar
Mapa da ficha ténica
Morada
Rua Abílio Beça, 27, Bragança
Telefone
273331595
Horário
Das 10h00 às 17h00; fins de semana, até às 18h00
Custo
() Entrada: 3 euros, grátis para crianças até aos 12 anos e primeiro domingo do mês


GPS
Latitude : 41.80576780000001
Longitude : -6.753218299999958
Partilhar
Mapa da ficha ténica
Morada
Rua D. Fernando, O Bravo, 24/26 (Cidadela)
Telefone
273381008
Horário
Das 09h00 às 12h30 e das 14h00 às 17h30. Encerra à segunda.
Custo
() Entrada: 1 euro, grátis para crianças até 10 anos.


GPS
Latitude : 41.8039858
Longitude : -6.749718900000062
Partilhar
Mapa da ficha ténica
Morada
Cidadela, Bragança
Telefone
273222378
Horário
09h00 às 11h30 e das 14h00 às 16h30. Encerra à segunda e nos feriados.
Custo
() Entrada: 1 euro, grátis crianças até aos 12 anos


GPS
Latitude : 41.8033434
Longitude : -6.7496135000000095


CONTEÚDO PATROCINADO