Crítica de Fernando Melo: The Mix, em Cascais

Está sempre tudo certo e no sítio quando voltamos aos lugares luminosos da nossa memória para uma refeição. Ter o mar perto é a garantia do infinito à mesa e a linha de Cascais ao Guincho tem muitos pontos de paragem obrigatória. O melhor, contudo, está no The Mix, governado pelo chef Ricardo Deus, o mar no código genético, a cozinha no coração.

Há 40 anos, na tão sinuosa quanto bela estrada do Guincho, existia a estalagem Muchaxo lá ao fundo e – sensivelmente a meio percurso – a casa do faroleiro, onde ser encomendava uma sopa de marisco maravilhosa. Floresceu o negócio, vieram empresários fazer casas que ainda hoje perduram e a dita estrada passou a passeio. Perto do mar, o ano todo, peixe e cascaria com fartura para empreitada gastronómica vagarosa, amigos à mesa, pores-do-sol inesquecíveis. Por razões a pesquisar, marcou-se sempre a Boca do Inferno, promontório outrora funesto pelos muitos temerários que foram engolidos pela fúria da rebentação junto à Gandarinha, como início da cordilheira marítima do gosto.

O Farol Hotel fica antes quando se vem de Cascais, num lugar de coxia donde se vê as praias da linha num braço e onde noutro se está em cima do mar. No restaurante The Mix perde-se a noção espacial, fica-se imerso na dinâmica imparável do oceano e é impossível, apesar das preferências pessoais de cada um, não o eleger como o mais marítimo local para peixe e cascaria.

Nada entre cada mesa e o mar. A cozinha está a cargo de Ricardo Deus. Algarvio de Portimão, nasceu e cresceu no meio onde hoje se move, já que os seus pais sempre tiveram restaurantes. Quando chegou o momento vocacional, já o jovem Ricardo tinha a certeza, fez a escola de hotelaria de Portimão, estudou e aprofundou o que empiricamente desde miúdo tinha aprendido. Passou pelos hotéis D. João II, Alvor Praia e Delfim, depois foi subindo em latitude, ao serviço do grupo Pestana, Pousada de Sagres, Pestana Sintra e Pestana Cascais.

A busca de conhecimento e a necessidade de contacto com o mar no seu aspeto mais rústico levaram-no a quatro anos em Aveiro, onde considera que aprendeu a ser o menos invasivo possível do peixe, e que segundo o seu mestre era a forma mais sublime de o tratar. Parece um filme bonito. Até porque mete Paris a seguir, aquisição maciça de conhecimentos e técnica da cozinha clássica francesa.

Quando regressa a Portugal vem sólido e autónomo e trabalhou com Olivier Costa e Aimé Barroyer. O primeiro na disciplina, o último na organização, foram ambos fundamentais. Com o mar aos pés, um arsenal técnico imenso e intimidade invulgar com os produtos, o chef Ricardo Deus renunciou ainda assim à chamada cozinha de autor, criando em vez disso menus semanais de cozinha criativa. Na verdade, cozinha de mercado, a mais difícil de praticar a nível elevado, que é o que o The Mix proporciona.

Duas entradas, um peixe, uma carne e duas sobremesas, para cada um compor o seu menu de entrada prato e sobremesa, disponível por 50 euros, sem vinhos. Desta forma, a carta – também há serviço à carta – é orgânica, vai-se reconfigurando de acordo com o que a época e a criatividade do chef define. Brilhantes as vieiras marinadas em citrinos e pimenta de espalette, aipo e vinagreta de romã (23 euros), inesquecível a raia assada em manteiga de alcaparras com arroz malandrinho, cebolo grelhado e tomate confitado (27 euros). Está aqui a mesa mais marítima deste enclave. Ir sem pressa, mas ter pressa de ir.

 

Partilhar
Partilhar
Mapa da ficha ténica
Morada
Avenida Rei Humberto II de Italia 7, Cascais
Telefone
21 482 34 90
Horário
Diariamente, das 12h30 às 15h30 e das 19h30 às 23h00
Custo
(€€) 80


Info
portuguesa, Cozinha portuguesa, Restaurante tradicional, Lisboa, restaurante
GPS
Latitude : 38.69034
Longitude : -9.422225000000026


CONTEÚDO PATROCINADO