Hotel mais antigo do Porto faz 140 anos e vai ser renovado

O Grande Hotel de Paris completou, a 25 de novembro, 140 anos na rua da Fábrica, sendo hoje o mais antigo do Porto. Recentemente comprado pela cadeia Stay Hotels, vai ser ampliado, mas a elegância francesa é para preservar.

Entrar no Grande Hotel de Paris, com a sua escadaria em mármore branca, coberta por uma passadeira vermelha, é fazer uma viagem até ao século XIX, para um lugar onde Guerra Junqueiro, Rafael Bordalo Pinheiro, Camilo Castelo Branco e Eça de Queirós estiveram hospedados. O hotel oitocentista, que nasceu inspirado nos costumes franceses, cuja gestão foi comprada este ano pela cadeia Just Stay Hotels – e está a ser explorada pela sua chancela Stay Hotels – celebra 140 anos no domingo e pode dizer-se que pouco mudou desde o primeiro dia que abriu portas na rua da Fábrica, na Baixa do Porto.

O hotel conserva os seus traços de arquitetura Belle Époque e muitos pormenores a evocar uma bem conservada elegância de antigamente. O piso de madeira, por exemplo, que nos range suavemente sobre os pés, é o original e tem algumas marcas dos tempos em que esteve coberto por alcatifa, explica Joana Santos, revenue manager da empresa. Há muita madeira no interior, desde a receção com as suas paredes trabalhadas pintadas de branco e azul bebé, até ao bar e sala de refeições. Um dos detalhes mais curiosos do hotel é o Posto 1, uma pequeníssima sala, na zona do bar, onde está um telefone. Apesar do aparelho estar desligado, fica a graça deste apontamento. Mais aparelhos antigos há pelo hotel fora, além deste posto telefónico, como uma antiga máquina de costura Singer, um gramofone, uma máquina de escrever ou de registar.

A sala de refeições, onde é servido o pequeno-almoço, é o maior espaço comum do hotel, com janelas para o jardim, e mobiliário antigo em madeira. Os cortinados floridos na janelas deixam espreitar o jardim cheio de árvores, à margem do bulício da Baixa. Se a vontade for demorar-se pelo interior, na Sala Dupuy, ao lado da dos pequenos-almoços, encontram-se jogos de tabuleiros, baralhos de cartas e diversas fotografias nas paredes, com datas entre 1920 a 1964, e com legendas que contam parte da história do hotel – como é o caso daquela onde se vê o primeiro dono do Grande Hotel de Paris.

Há, porém, fotografias um pouco por todo o lado ao longo dos três pisos do hotel, aos quais se chega por duas escadarias que se cruzam e por elevador. No primeiro piso, há uma pequena biblioteca que tem alguns livros deixados por hóspedes. O hotel tem 42 quartos, que vão do quarto duplo ao quádruplo. E há um especial, que é muito requisitado. Trata-se do quarto 110, antigamente o número 17, onde Camilo Castelo Branco viveu durante uma altura depressiva da sua vida. Consta que terá recuperado graças aos pratos da cozinheira do hotel na altura, Gertrudes.

Os quartos serão intervencionados a partir do próximo ano – «para dar mais conforto aos hóspedes», refere Joana Santos – e o mesmo vai acontecer no bar. Mas a grande mudança não será no edifício central, mas nos dois edifícios contíguos para onde o hotel se vai ampliar, com a criação de mais 37 quartos e um aumento da área de jardim. Apesar da intervenção prevista, o objetivo é manter a traça original do edifício e alterar apenas o essencial, garante a cadeia Stay Hotels.

Partilhar
Mapa da ficha ténica
Morada
Rua da Fábrica, 27 (Baixa), Porto
Telefone
222073140
Custo
(€) Preço: Quarto duplo a partir de 60 euros por noite, sem pequeno-almoço incluído.


GPS
Latitude : 41.14732420000001
Longitude : -8.61268419999999

 

Leia também:

Hotel Cristal: com o centro do Porto ao virar da esquina
Um hotel-museu numa antiga papelaria do Porto
Hotel retira tapete da bandeira nacional após fortes críticas