Rota das Tapas: há 155 petiscos em sete cidades

São sete cidades, sete mapas, 155 petiscos. A Rota de Tapas dura até 10 de junho. Uma tapa e uma cerveja custam três euros. Nem mais, nem menos.

Do rossio ao mercado, do bairro da beira-mar à principal avenida da cidade, Aveiro entrou pela primeira vez na Rota de Tapas, circuito com petiscos à mesa feitos por restaurantes que se orgulham da sua cozinha e que têm brio em manusear iguarias locais. A rota, patrocinada pela cerveja Estrella Damm, de malte e arroz, produzida em Barcelona, tem 155 tapas em sete cidades até 10 de junho. E regressa em meados de setembro para mais voltinhas.

Cada cidade tem um mapa que cabe no bolso com tudo o que é preciso. Aveiro não é exceção. Ruas e travessas, a ria à volta, e 26 tapas que aproveitam o travo fumado da alheira e o sabor a mar do peixe, que juntam morcelas e maçã, ou que desfiam o bacalhau. No terraço do Maria Lounge Bar, com vista para um dos braços da ria, Gonçalo Fonseca apresenta a tapa criada pelo chef Miguel Bértolo. É um croquete vegetariano que sabe a Japão. «É uma tapa transversal a qualquer tipo de pessoa. Não tem peixe», explica. É um bolinho com travo a sushi.

No Largo do Rossio, a alheira cabe numa lata e é um dos petiscos desta rota que surgiu em 2013, quando a Estrella Damm decidiu arriscar nesta aventura gastronómica com a sua cerveja a acompanhar. O Armazém da Alfândega juntou brás com bolinhas de alheira nesta estreia no circuito. Na esplanada, Maria João, a proprietária, orgulha-se da tapa. A dois passos dali, o bacalhau com natas aninha-se num folhado num restaurante que trabalha todos os dias com esse peixe. E ali perto, numa casa de bifes, a carne maturada entra num wrap e transforma-se em tapa. Aveiro, onde o turismo não para de crescer, quase apanha Lisboa e Porto no número de petiscos, menos um do que na capital, menos dois do que na Invicta. E a organização salienta as propostas «muito ricas, bem pensadas e confecionadas, que espelham o melhor da sua região e das suas próprias técnicas gastronómicas», nas palavras de Vanessa Germano, gestora de marca da Estrella Damm.

Aveiro não é a única caloira. Évora também se estreia nesta rota com 15 sugestões com carnes, peixes do rio, enchidos e ervas aromáticas. O Alentejo também cabe em pratos pequenos com choco frito, crepe de bacalhau ou tortilha de batata. Viseu é outra novidade neste percurso. A terra dos fumeiros entra na cozinha e inventa petiscos com os seus presuntos, chouriços e alheiras. E este tapear tem um prémio de uma viagem a Barcelona para duas pessoas. Basta ter, no mínimo, três carimbos no mapa, de três sítios diferentes da rota, e uma foto com a tapa favorita e a cerveja catalã.
Ingredientes locais e novos bairros
Lisboa foi onde tudo começou, em 2013, com 12 tapas. Este ano, são 27 e a rota estica-se a dois bairros: Campo de Ourique e Graça – mantendo-se no Bairro Alto, Cais do Sodré e Príncipe Real. No Porto, há 28 espaços aderentes. Cedofeita, Poveiros e Aliados estão no mapa com cachorro de linguiça ou alheira grelhada. Mais a norte, em Braga, a oferta também é variada para tapear em 24 sítios que ora cozinham produtos tradicionais, como enchidos ou o bacalhau, ora apostam em sabores exóticos com cogumelos shitake. Em Faro, do castelo ao centro histórico, com o mar ao pé, o peixe e o marisco inspiram as tapas de 19 restaurantes.

 

Tapear em Aveiro:

Boru: É uma tapa inspirada no Japão, vegetariana, sem proteína animal. É um croquete de vegetais e arroz de sushi panado em panko, condimentado com sete ingredientes japoneses, polvilhado com filamentos de malagueta. Para degustar quente ou frio com molho de sésamo e de chili doce.

MARIA LOUNGE BAR
Mercado Manuel Firmino, Loja 42, 1.º andar
Tel.: 917104076
facebook.com/pg/Marialoungebaraveiro/
Das 12h00 às 0h00 de terça a domingo.

 

Alheira tem lata: Uma espécie de brás de alheira. Bolinhas de alheiras envoltas em pico de galo, um molho mexicano que lembra o vinagrete. Um brás húmido com travo a ervas aromáticas com togarashi, um tempero japonês. A tapa é servida numa lata em cima de uma tábua de madeira.

ARMAZÉM DA ALFÂNDEGA
Largo do Rossio, n.º1
Tel.: 966058214
facebook.com/armazemdaalfandega/
Das 15h00 às 19h00 e das 22h00 às 24h00 de segunda a sábado.
Preço médio: 20 euros

 

Trouxa de bacalhau: Num restaurante com 16 pratos de bacalhau, de bacalhau com aipo a bacalhau com manjericão, o peixe torna-se numa tapa. O bacalhau com natas é envolto num folhado, a pasta envolta num crocante, com flores comestíveis a decorar.
Bacalhau & Afins
Rua João Afonso, n.º13
Tel.: 234044045
facebook.com/bacalhauafins/
Das 12h00 às 15h30 e das 19h00 às 23h00 de segunda a sábado. Das 12h00 às 15h00 ao domingo.
Preço médio: 25 euros
Taco de carne maturada: Wrap com lombinho de novilho maturado, aioli, cebola crocante, pickle de cebola-roxa, rúcula, rabanete, e queijo da ilha. Vários ingredientes numa tapa delicada com uma pequena mola de madeira a segurar o wrap.
Gran Turino – Steak House
Rua António Santos Lé, n.º 18
Tel.: 234423754
www.granturino.pt
Das 12h30 às 15h00 e das 19h30 às 22h30 de segunda a sábado. Encerra ao domingo.
Preço médio: 20 euros

 

Leia também:

Matosinhos: Há 36 espaços com petiscos e vinho até 3 euros
Há novas tapas para provar em Lisboa e Cascais
10 restaurantes no Porto para quem gosta de petiscos