Em Ponte de Lima há um bar onde se bebe sob guarda-chuvas

Os guarda-chuvas que ali se faziam são agora a visão que recebe quem vai tomar um gin ou uma cerveja a esta varanda sobre a Rampinha. E a Celeste, antiga operária, tornou-se a imagem de marca do Chusso Bar.

O Chusso Bar fica no primeiro piso de uma casa antiga, com paredes de granito, na esquina da Rampinha – como é conhecida na vila a Rua Formosa – com a Rua Nossa Senhora das Neves, a zona onde tem crescido a movida noturna de Ponte de Lima.

Quando lá se entra, sente-se o alívio do ar fresco que entra pelas janelas altas, fazendo do espaço uma varanda sobre a rua. E prendem-se os olhos na graça da decoração, que honra o passado da casa onde funcionou, até aos anos de 1980, uma fábrica de guarda-chuvas, guarda-sóis e sombrinhas, alguns deles suspensos no teto, a funcionar como quebra-luz.

Faziam parte do espólio da antiga fábrica limiana José Lopes Martins, que Flávio Mimoso preservou quando abriu o bar, há cinco anos. Os antigos objetos da fábrica tornaram-se a base da decoração e a mais antiga funcionária, Celeste, a inspiração para a boneca com guarda-chuva que compõe o logótipo do bar.

Ali funcionou, até aos anos 1980, uma fábrica de guarda-chuvas

Flávio, que deixou a engenharia civil para abrir o Chusso, pendurou na parede uma ampliação do cartaz publicitário da antiga fábrica, onde se lê um delicioso texto elencando as virtudes dos guarda-sóis e sombrinhas ali executados: «Além de elegância, de perfeição, do bom acabamento e da durabilidade, não receiam confrontos, no tempo e resistência.»

Além das sombrinhas de tecidos rètro a colorir as luzes do teto, há bengalas de guarda-chuva na parede e vários móveis antigos, entre os quais uma máquina de costura. No balcão de tampa de vidro, que também já ali estava, podem ver-se as ferramentas com que se costuravam os guarda-chuvas, como carrinhos de linhas e tesouras, e ainda varetas.

«As coisas estavam todas aqui, da máquina de costura aos quadros», conta Flávio, que, natural dali e oriundo de uma família ligada a negócios de comer e beber, nos quais sempre ajudou, sentiu que em Ponte de Lima «fazia falta um espaço diferente».

Na carta, além do habitual, há cocktails, gin e cerveja artesanal. Pela mesa de mistura do Chusso, passam DJ e, de vez em quando, acontecem ali concertos de bandas. E das janelas abertas para a rua, pode assistir-se com privilégio panorâmico aos concertos que os bares da Rampinha organizam, numa agenda cooperativa, ao longo do verão.

Partilhar
Partilhar
Mapa da ficha ténica
Morada
Rua Senhora das Neves, 69, Ponte de Lima
Telefone
969918504
Horário
Das 13h00 às 02h00, das 14h00 às 04h00 ao fim de semana. Encerra à segunda.
Custo
() Cerveja, 1,20 euros; gin desde 4 euros


GPS
Latitude : 41.7680092
Longitude : -8.582513999999946


CONTEÚDO PATROCINADO