Novo bar mistura rock’n’roll e cerveja artesanal do mundo

É ao som do rock'n'roll que se bebem as cervejas artesanais do Flor do Lúpulo, o novo bar de Arroios, Lisboa, que agrega dezenas de marcas à escala global, à pressão ou em garrafa. Trincam-se petiscos e há refeições quentes.

Uma viagem pelo mundo guiada pelo sabor da cerveja artesanal. É aquilo que se poderia chamar ao Flor do Lúpulo, o novo bar de Lisboa dedicado a esta bebida e que tem mais de 30 tipos de cerveja, entre marcas nacionais e estrangeiras, das leves às intensas, das doces às amargas. Ou não fosse este um bar situado em Arroios, uma das freguesias mais multiculturais da capital.

A iniciativa partiu de Joana Marques, em conjunto com o marido, Tiago Marques, e um amigo de ambos, Tiago Sério, este responsável pela cozinha. Nasceu em Trás-os-Montes e dedicou-se uma década ao jornalismo, mas a paixão pelo mundo da cevada e do lúpulo falou mais alto.

«Há 10 anos que eu e o meu marido começámos a apreciar e consumir cerveja artesanal», começa por contar Joana. «Mas foi em 2016, quando trabalhei na Dois Corvos [cervejeira de Marvila], que tive uma grande aprendizagem», acrescenta. Daí a abrir o espaço com 20 lugares foi um passo.

No Flor de Lúpulo, a maior variedade de cerveja está em garrafa e lata e vem dos quatro cantos do mundo, mas há sempre 10 opções à pressão, que vão mudando. Para além da já referida Dois Corvos, e de referências dos EUA, Bélgica, Alemanha e Dinamarca, só para mencionar alguns, há outras marcas nacionais, como a Libata, de Vila Viçosa; Opo 74, do Porto; Barona, de Marvão; Musa, de Marvila; ou a Gallas, uma nova cervejeira que abriu recentemente na Graça, ali ao lado.

O sentido de comunidade nota-se também na comida. Joana Marques frequenta os mercados vizinhos, de Arroios e da Morais Soares, para comprar os produtos usados nos pratos. Para além de pratos de queijo e presunto, chamuças de carne ou vegetarianas há refeições quentes como feijoada e cogumelos à Bulhão Pato.
Ao som do rock’n’roll
O preto, o vermelho e o branco são as cores do bar, de inspiração rock n’roll (também na música), que se pauta por apontamentos divertidos, como uma garrafa de cerveja e uma colher de pau dentro desta, a substituir o típico jarro com flores.

 

Leia também:

Miguel Bombarda: a rua do Porto que junta arte e comida
Bar e galeria num pub diferente com cerveja artesanal
Francesinha alvo de fortes críticas em jornal internacional