7 vinhos de casta jaen do Dão que vale a pena experimentar

O mundo parece não ter tempo para pormenores, e nos vinhos o mainstream estabelecido pelo gosto comum generalizado, com as inevitáveis castas globais na base, criou um estilo internacional que urge reparar. Os jaen do Dão representam a tendência oposta. Caminho, portanto.

Chama-se jaen em Portugal e mencia em Espanha, e representa um tal desafio enológico que os melhores viticultores e enólogos não resistem a experimentar. Considerada outrora de segunda linha face à voragem dos vinhos encorpados que o mercado apresentava, hoje não podia estar mais na ordem do dia. Elegância, álcool moderado e expressão genuína de terroirs são algumas das virtudes naturais da jaen. A aclamação dos chamados vinhos naturais está ao rubro, numa espécie de proposta sem regras, de que aparentemente a enologia moderna é a principal ameaça.

Há, contudo, que olhar para o muito que se avançou, em detrimento do conservadorismo cego que conduz a nenhures. Dá-se a coincidência feliz de a jaen puxar pela criatividade e ao mesmo tempo conhecimento de quem com ela lida, tocando nos pontos de excelência todos. Há que saber intervir no momento certo e de forma adequada. A vindima tem de acontecer quando os bagos estão completos e a maturação fenólica está garantida, só depois disso se trabalha o aspeto da expressividade dos vinhos.

Seleccionámos sete vinhos jaen do Dão que pertencem a sete terroirs diferentes e cuja prova simultânea pela primeira vez aconselhamos a fazer. Todos resultado de muito talento e trabalho. O tenaz João Tavares de Pina, adepto firme das virtudes e do futuro da casta no cenário nacional, merece destaque, belíssimo exemplar. A estreia brilhante da Casa da Carvalha na casta. A mão sábia de Manuel Vieira no ainda jovem Titular. O glorioso Quinta das Maias. Os bons exemplos da Quinta dos Carvalhais e do Fonte de Gonçalvinho. E o incrível Quinta da Pellada, de Álvaro de Castro. Só temos de nos sentar e sentir. Boas provas!

Quem prova, aprova
Sete vinhos cem por cento jaen que quem puder deve provar lado a lado, para perceber as diferenças, semelhanças e sobretudo personalidades tão vincadas, ligadas à terra e ao talento. Como medida geral, aconselhamos o serviço a 16°C. Boas provas!

Conheça cada um destes vinhos através da fotogaleria.