Festivais que convidam a passear de norte a sul do país

Os festivais que aqui se destacam unem música, artes, história, natureza e património. Bragança recupera a sua herança judaica; no Minho, a arte é para descobrir na ruralidade; em quintas barrocas do Tâmega e Sousa haverá música portuguesa. O MIMO leva ao centro de Amarante artistas internacionais e no Alentejo a música sacra ouve-se em igrejas.

 

FESTIVAL MIMO

Em 2016, o Mimo Festival levou a Amarante 20 mil pessoas. Um número que a organização quer ultrapassar este ano, de 21 a 23 de julho. O evento que une grandes nomes da world music ao património histórico e natural da ‘Princesa do Tâmega’ já anunciou a presença de Herbie Hancock, importante pianista e compositor de jazz, e de Tinariwen, banda de guitarras tuaregues, do Mali. Estes concertos, mas também os de Manel Cruz e Nação Zumbi irão acontecer entre o Parque Ribeirinho e o Largo de São Gonçalo, um espaço marcado pelo Mosteiro de São Gonçalo, que poderá ser visitado ao som da música. Também da Ponte de São Gonçalo, construída no século XVIII e com 50 metros de comprimento, se poderá apreciar o camaronês Richard Bona e a sua banda Mandekan Cubano. Todos os espetáculos são de entrada gratuita.

Amarante
Centro histórico da cidade
21 a 23 de julho
Grátis

 

SEMANA TERRA(S) DE SEFARAD

Recuperar e promover a cultura judaica de Trás-os-Montes e pôr Bragança na rota do turismo judaico são os propósitos da Semana Terra(s) de Sefarad: Encontros de Cultura Judaico-Sefarditas, que decorre de 15 a 18 de junho. Vão ser quatro dias com um congresso internacional, música, exposições e cinema. Yasmin Levy é o nome que se destaca na música. A cantora israelita de raízes sefarditas é conhecida por cantar em ladino, a língua dos judeus da Península Ibérica. A artista atua no Castelo de Bragança, dia 17, às 22h30. O duo Herança Longínqua irá também recuperar músicas sefarditas, no Jardim do Centro de Arte Contemporânea Graça Morais. É neste museu que poderão ser vistas as exposições da Israelita Dvora Morag e de Graça Morais. No Centro de Fotografia Georges Dussaud estará exposta a obra deste fotógrafo que captou os rituais da região. Um mercado kosher e um ciclo de cinema são outras das sugestões.

Terra(s) de Sefarad
Loja Turismo de Bragança
Tel.: 273240020; 934491460
Das 09h30 às 13h00 e das 14h00 às 17h30. Encerra segunda e terça.
Grátis / Concerto de Yasmin Levy: 5 euros

 

 

FESTIVAL TERRAS SEM SOMBRA

Música sacra, património e biodiversidade são os três pilares em que assenta o Festival Terras Sem Sombra. Na 13ª e edição, o festival é este ano centrado na música ibérica e europeia. Já começou em fevereiro mas ainda é possível assistir a três concertos em igrejas e às atividades que lhe estão associadas: visitas guiadas ao património edificado das cidades e vilas onde os espetáculos vão decorrer — Ferreira do Alentejo (27 de maio), Sines (3 de Junho) e Beja (17 de junho) — e, aos domingos, passeios que têm como tema a biodiversidade. Os concertos e demais actividades são de acesso livre.

Terras Sem Sombra
27 de maio, 3 de junho e 17 de junho
Organização Pedra Angular
Rua Manuel Arriaga, 11, Santiago do Cacém
Tel.: 284320918
Email: dpdb@sapo.pt
Web: festivalterrassemsombra.org
Grátis

 

 

FESTIVAL DESENCAMINHARTE

Dez municípios do Alto Minho juntam-se para levar a cabo o primeiro Desencaminharte, festival de arte pública em meio rural e natural. Entre dias 1 e 4, os visitantes são convidados a percorrer Arcos de Valdevez, Caminha, Melgaço, Monção, Paredes de Coura, Ponte da Barca, Ponte do Lima, Valença, Viana do Castelo e Vila Nova de Cerveira. Em cada uma das localidades haverá uma intervenção de artistas convidados. Além das instalações a visitar há vários programas para usufruir do meio natural e das tradições locais, como passeios de bicicleta e passeios pedestres. O festival disponibiliza espaços onde será possível acampar durante as três noites.

Desencaminharte
De 1 a 4 de junho
Alto Minho
Web: www.desencaminharte.altominho.pt
Email: desencaminharte@gmail.com
Grátis

 

 

FESTIVAL CONFLUÊNCIAS

Sean Riley & The Slowriders a dar um concerto num antigo mosteiro construído pelos jesuítas, First Breath After Coma a tocar na antiga residência do alcaide de Celorico de Basto e senhor de Felgueiras ou Samuel Úria a mostrar as suas canções num solar edificado em 1683. Será assim a primeira edição do Festival Confluências – Quintas do Barroco do Tâmega e Sousa, evento que decorre entre maio e julho, em Amarante, Marco de Canaveses, Penafiel ou Lousada. Ao todo, serão 22 dias de programação cultural, 66 concertos, 22 espetáculos para famílias e 15 criações de artistas de música popular e clássica oriundos da região. No âmbito deste festival irão realizar-se ainda espetáculos de marionetas e teatro. Tudo acontecerá em dez quintas de estilo barroco, algumas delas privadas, que servem de cenário ao evento. A entrada é gratuita.

Festival Confluências
Quintas do barroco no Tâmega e Sousa
Entre maio e junho
Entrada gratuita