Um prato de skrei para a Sexta-Feira Santa lisboeta

André Magalhães, inspirados no fish n'chips (peixe batatas fritas), criou umprato em que skrei e cebola são passados por um pome antes de fritos, fazendo-se depois acompanhar por batatas fritas às rodelas fininhas, maionese picante e agrião de água. (Fotografia de Sara Matos/GI)
No âmbito do festival SkreiFest, dedicado ao mais especial dos bacalhaus frescos, a Taberna da Rua das Flores, em Lisboa, apresenta um prato perfeito para quem quer evitar a carne.

Skrei. O nome ainda não anda nas bocas do povo, mas, no que depender da Norge (Conselho Norueguês das Pescas) não vai tardar muito. Pelo terceiro ano consecutivo, está a decorrer, até ao final de abril, o SkreiFest, um festival que visa promover, através da parceria com restaurantes e revendedores, um bacalhau fresco da Noruega, capturado com regras muito específicas (em quantidade e qualidade) durante a época de desova que vai de 1 janeiro a 30 de abril. E só. Um curto período de tempo, conhecido como o «Milagre do Skrei», mas que vale ouro, pois este bacalhau do Árctico, devido à sua alimentação (camarão, arenque ou capelim) e aos milhares de quilómetros que tem de nadar, contracorrente, entre o mar de Barents e as zonas costeiras da Noruega (em especial as ilhas Lofoten), apresenta uma textura firme (carne mais musculada e carnuda) e um paladar muito suave.

O sucesso das edições anteriores levou a que os organizadores alargassem o festival deste ano a cinquenta restaurantes distribuídos por Lisboa, Porto e Guimarães. Entre os aderentes, destaque para a lisboeta Taberna da Rua das Flores, capitaneada pelo gastrónomo André Magalhães, que levou a melhor em 2016. Inspirados no fish n’chips (peixe batatas fritas), eles criaram agora um prato (que não é bem um prato à hora de jantar, mas já lá vamos) a 9,50 euros em que skrei e cebola são passados por um pome antes de fritos, fazendo-se depois acompanhar por batatas fritas às rodelas fininhas, maionese picante e agrião de água.

A criação, disponível ao almoço e ao jantar (altura em que é servida numa caixa de cartão), está a agradar em cheio quer aos portugueses quer aos muitos estrangeiros que visitam regularmente a Taberna. Ideal para quem quer passar longe da carne esta Sexta-feira Santa mas não quer o mesmo bacalhau de todo o santo dia.

 

Partilhar
Mapa da ficha ténica
Morada
Rua das Flores, 103, Lisboa
Telefone
213479418
Horário
Das 12h00 às 00h00 de segunda a sexta e das 18h00 às 00h00 ao sábado
Custo
(€) Preço médio: 15 euros


GPS
Latitude : 38.710116142976325
Longitude : -9.143585160118846

 

Veja também:

A Taberna Anti-Dantas é um verdadeiro manifesto. Pim!
11 tabernas de assinatura de norte a sul
Doçaria conventual da Alcôa para provar no Chiado

 



CONTEÚDO PATROCINADO