Crítica de Fernando Melo: restaurante Magna Carta, Alcobaça

Claro que se vê o mar logo aos pés e claro que a praia de Paredes da Vitória é das mais belas que o país tem. Menos clara é a sorte em dar com o Magna Carta, restaurante onde o vinho é importante e onde se rescreve a história connosco no centro.

Quando pensamos em restaurantes de praia pensamos em chiringuitos, pés na areia e um certo caos na cascaria que passa e vamos debulhando. Na latitude de Pataias, a norte da Nazaré, a água do mar ou está fria ou está gelada mas os areais limpos e longos são inspiradores. Logo ali, andam robalos fantásticos a desafiar-nos, existem percebes de antologia e a mesa é festiva com o que do mar sai em cada dia.

Luís Bento e sua mulher Marina passavam férias por aqui e perante uma boa oportunidade decidiram assumir um dos restaurantes da cordilheira em frente ao mar. Peixe e marisco para cumprir a fantasia dos passantes oferecendo bom produto, mas muito mais do que isso. O vinho é importante para Luís e a carne também vem à mesa ali. No fundo, um lado B do que uma praia costuma oferecer, porto de abrigo que nos protege do temporal dos programas fixos.

Existem percebes de antologia e a mesa é festiva com o que do mar sai em cada dia

Começa tudo bem quando vêm ostras (2 euros), frescura exemplar, iodo e mar portátil que se abre e come ao natural. Uma novidade que se saúda, arancini com molho aioli (5 euros), duas bolas panadas com recheio baseado em arroz, e os percebes (7 euros 200g), que tratam de arranjar e cozer rapidamente, como a gente gosta. Um prato pequeno de presunto nacional de bolota (9 euros), cura de 40 meses, levanta-nos o ânimo e chegamos alegres ao próximo posto, que pode ser marisco, peixe ou carne. Nada contra a carne, mesmo com o mar à porta. Servem plateaus de frutos do mar, o pequeno (45 euros) traz sapateira, ostras, mexilhões, camarão e búzios, o grande (65 euros) acrescenta percebes e navalheiras à festa.

Grelha-se peixe a preceito, brasas competentes, e o bacalhau à Magna Carta (16 euros) resiste às configurações useiras e vezeiras de apresentar o fiel amigo, o meu trazia um puré de aipo que aligeirava o conjunto e abria a porta a harmonizações com vinho. Não falha a cataplana de peixe (42 euros para 2 pessoas) e nas carnes o bife com queijo serra da estrela (15 euros) é opção carnívora a considerar. Há um bife de vazia de novilho maturado (21 euros) para os amantes dos sabores sem véus e autênticos. Na sala vive-se o vinho de forma invulgar.

O bolo de pêra rocha do oeste fica na memória

Luís Bento foi acumulando na sua carta os títulos de que mais gosta e também os que hoje exprimem uma forma inteligente e discernida de consumo. A sua filha mais velha é enóloga, já andou por França e parece que está de partida para mais um estágio e a mais nova também não enjeita a profissão. A da mãe, educadora de infância, é que pode, a prazo, dar lugar a esta nova forma de estar na vida e que se incrusta no código genético sem pedir licença. O bolo de pêra rocha do oeste (4 euros) fica na memória. Um lado B que é bem vindo, família feliz de que passamos a fazer parte. Magna mesa, obrigatório.

Classificação
O espaço: 4,5
O serviço: 4,5
A comida: 4,5

A refeição ideal
3 ostras ao natural (6 euros)
200 g de percebes (7 euros)
Cataplana de marisco (2 pessoas, 50 euros)
Posta barrosé (16 euros)
Bolo de pêra rocha do oeste (4 euros)

Partilhar
Mapa da ficha ténica
Morada
Rua António Correia de Sousa Luz, 4, Paredes da Vitória
Telefone
244599114
Horário
De quinta a domingo, das 12h30 às 22h30. Até às 18h30 ao domingo.
Custo
(€€) 30 euros


GPS
Latitude : 39.7014185
Longitude : -9.050612999999998


CONTEÚDO PATROCINADO