Lisboa eleita sexta cidade mais acolhedora do mundo

A capital portuguesa foi eleita a sexta cidade mais hospitaleira em todo o mundo, num estudo realizado pelo site de turismo Travel Bird e liderado por Singapura.

Já não deve ser novidade para muitos a fama que o povo português tem de ser hospitaleiro, mas Lisboa acaba de ser eleita como uma das cidades mais acolhedoras do mundo, revela o estudo realizado pelo site de turismo Travel Bird.

O ranking de 100 posições, que não conta com a presença de mais nenhuma cidade portuguesa, coloca a capital na sexta posição do estudo, que serviu também para assinalar o World Cities Day das Nacções Unidas, que se celebra anualmente a 31 de outubro.

Resultando de um somatório de vários índices [como simpatia, segurança, fluência da língua inglesa, condições e formas de entrada no país ou a opinião dos jornalistas do sector do turismo], e de uma amostra total de 500 cidades, Singapura foi eleita a cidade mais hospitaleira do mundo.

Também antes de Lisboa, e entre a segunda e quinta posição, estão Estocolmo (Suécia), Helsínquia (Finlândia), São Francisco (EUA) e Roterdão (Holanda).

A título de curiosidade, o índice em que Lisboa ficou melhor classificada foi na categoria ‘opinião dos jornalistas que trabalham em publicações de turismo e viagens’, num honroso segundo lugar, apenas atrás de Copenhaga (Dinamarca).

Cada vez mais é frequente ver-se Lisboa nos mais variados rankings favoráveis europeus e mundiais – ainda este verão foi eleita num relatório da Comissão Europeia como a terceira cidade mais cultural e criativa do Velho Continente, dentro do segmento de municípios entre 500 mil e um milhão de habitantes.

Pela mesma altura, a lista anual da empresa Mercer frisava que a capital portuguesa está mais barata do que em 2016, colocando-a como a 137.ª cidade mais cara do mundo, uma descida de três lugares face ao período homólogo.

 

Leia também:

Conheça as cidades mais populares no Instagram em Portugal
Lisboa: O que se come no melhor restaurante do mundo?
CNN: «Lisboa é o novo hotspot cultural improvável da Europa»