Entre Alfama e Mouraria, há um bailarico de novidades para visitar

(Fotografia: DR e Paulo Spranger/GI)
Em junho, Alfama e Mouraria são sinónimo de folia ao ar livre, dias alegres e noites longas. O pretexto para visitar algumas das novidades que têm refrescado estes dois epicentros lisboetas para saudar ao Santo António.

Tem o Museu do Fado e o Largo do Chafariz de Dentro como vizinhos, por onde se aglomeram foliões por estes dias, mas o novo inquilino de Alfama leva-nos numa viagem de mais de 900 quilómetros, até à pérola do Atlântico. A Poncha LX abriu em maio pelas mãos de dois amigos de infância, Ricardo Costa e Tiago Milheiro, apaixonados confessos pela Ilha da Madeira, para onde viajam frequentemente. O resultado é uma mercearia e petisqueira onde só entram produtos de origem madeirense, que podem ser comprados ou saboreados no próprio local.

Ao lado de imagens e vídeos que mostram a beleza natural da ilha, há prateleiras com poncha engarrafada – com sabores como mel e limão, maracujá e tangerina -, rum e aguardentes, licores, chocolates, rebuçados, Vinhos Madeira, cervejas e sumos, além de compotas, mel, marmelada, biscoitos, queijadas de maracujá, palitos de cerveja, broas e o clássico bolo de mel.

A Poncha LX é um dos novos inquilinos de Alfama. (Fotografias de Álvaro Isidoro/GI)

Na mercearia, só se vendem e provam produtos madeirenses.

Um recanto da mercearia é dedicado a produtos para a casa, feitos pelos artesãos madeirenses da marca Prana Candle, com velas – lavanda, figo e romã são exemplos de aromas -, ambientadores e difusores de varetas, por exemplo. Antes de ir embora, vale a pena sentar para provar uma poncha feita na hora e um bolo do caco tostado e barrado com manteiga de alho da casa.

O bolo do caco torrado com manteiga de alho da casa pode ser provado na mercearia, tal como a poncha a copo e o Vinho Madeira.

Vinhos, aguardentes, biscoitos, ponchas, compotas, licores e cervejas fazem parte da oferta da mercearia.

Cerveja à pressão e novas camas

Uma curta caminhada até à Sé de Lisboa é a oportunidade para matar a sede. A dois passos do monumento do século XII, o bar Crafty Corner é uma das recentes respostas de Alfama para beber cerveja artesanal nos dias quentes que chegaram sem timidez. O espaço deu-se a conhecer em Lisboa há seis anos, no Cais do Sodré mas fechou com a pandemia. Nesta segunda morada, mantém a premissa original: servir à torneira a produção cervejeira nacional, com uma dúzia de referências de Lisboa, Porto, Coimbra e Ericeira, que rodam a ritmo regular, além da sidra feita pelo bar. “Aqui, há uma cerveja artesanal para cada pessoa e gosto”, explica Alan Gollo, gerente.

O Crafty Corner, a dois passos da Sé de Lisboa. (Fotografias de Paulo Spranger/GI)

Além das cervejas artesanais portuguesas, há petiscos variados e um novo brunch diário.

Um teto pintado com nuvens, espelhos antigos, barricas que servem como mesas de apoio, lustres vintage, jogos de tabuleiro e exposições temporárias nas paredes ajudam a compor a decoração do bar, que no verão terá música ao vivo e transmissão de jogos do Euro.

Para acompanhar as cervejas, há petiscos variados como asas de frango piripiri, salada de polvo, sandes, tábuas de queijos e enchidos e chips de batata-doce, por exemplo. Mas também o brunch que se serve todos os dias, entre as 10h e as 14h, que alargou a oferta do espaço desde maio.

Alan Gollo, gerente do recente bar de Alfama.

Daqui ao Campo das Cebolas é um pulinho. O edifício de arquitetura pombalina foi reconstruído no pós-terramoto mas as suas origens remontam ao século XII. Este ano, ganhou nova vida com a chegada do AlmaLusa Alfama, o novo quatro estrelas junto ao Arco das Portas do Mar, que foi em tempos torre de vigia, uma das principais entradas da cidade e um local de comércio de sal, servindo ainda hoje como acesso pedonal a Alfama, o bairro onde se festeja ao longo de todo este mês.

Ao todo, há 25 quartos e suites, onde não faltam papéis de parede com motivos tropicais, falsas lareiras debaixo dos televisores e vistas panorâmicas sobre o Campo das Cebolas e o Tejo que acompanha esta praça. No Delfina Café, além dos pequenos-almoços, servem-se refeições leves e petiscos, num menu all day, além de cocktails e vinhos.

O novo quatro estrelas de Alfama soma 25 quartos e suites. (Fotografias: DR)

A nova unidade hoteleira fica junto ao Campo das Cebolas.

Um Ciclo que se inicia

Entre “a calma de Champagne” e a “energia de Paris”, José Maria Neves e Cláudia Silva ganharam mundo e conhecimento, durante os seis anos em que viveram em França. Para trás, já estava um percurso em Lisboa que soma espaços como o Chapitô à Mesa (na altura com o chef Bertílio Gomes) e o 100 Maneiras (de Ljubomir Stanisic). O recente regresso a casa, impulsionado pelo nascimento da filha Alice, concretizou o desejo antigo de abrirem o seu próprio restaurante, o Ciclo, que reforça agora a oferta da Mouraria, “um bairro autêntico e com personalidade, tal como nós”, explica José, que comanda a cozinha, enquanto Cláudia lidera a sala.

Tal como o termo “ciclo” já indicia, é o produto de época que faz a curadoria da carta, onde se aposta no desperdício zero. Uma abordagem simples, que se reveste de técnica e sabor complexos. “Respeitamos ao máximo o que a natureza tem para nos dar”, adianta o proprietário. É por isso que todas as semanas há mudanças de pratos, que podem ser pedidos à carta ou num menu de degustação (60 euros).

O Ciclo abriu recentemente no Largo das Olarias. (Fotografias: DR)

O produto de época e o desperdício zero ancoram a cozinha do Ciclo.

À mesa vão chegando os rissóis de porco preto alentejano (com formato de dumpling) com molho de casca de laranja; as ervilhas frescas na brasa com morangos e espargos lacto-fermentados; pepino marinado em vinagre de flor de coentros, com alperces e rayu (especiarias, sésamo e cebola frita); o dashi de camarão vermelho com kimchi de cebola e curgete; ou o cachaço de porco preto com puré de beterraba, alho negro e espargos verdes na brasa; entre outros. Na garrafeira, entre cerca de 50 referências nacionais e de Champagne, apostam-se em vinhos de baixa intervenção, mas também vale a pena provar a kombucha da casa. Antes de saída para o bailarico que invade as ruelas da Mouraria, importa provar o filete de sardinha em pão torrado e sambal de tomate, para entrar no espírito.

O filete de sardinha em pão torrado e sambal de tomate, no Ciclo.

Partilhar
Morada
Largo do Terreiro do Trigo, 12, Lisboa
Telefone
968440474
Horário
Das 10h às 19h, todos os dias.

Website

GPS
Latitude : 39.3999
Longitude : -8.2245
Partilhar
Mapa da ficha ténica Mapa da ficha ténica
Partilhar
Morada
Rua de São João da Praça, 95, Lisboa
Telefone
969689661
Horário
Das 10h às 00h30, todos os dias.


GPS
Latitude : 39.3999
Longitude : -8.2245
Partilhar
Mapa da ficha ténica Mapa da ficha ténica
Partilhar
Morada
Rua do Ouro, 102
Telefone
226001786
Horário
Das 10h00 às 13h00 e das 14h00 às 19h00. Encerra segunda e terça.

Website

GPS
Latitude : 41.14801192374117
Longitude : -8.635542899613938
Partilhar
Mapa da ficha ténica Mapa da ficha ténica
Partilhar
Morada
Largo das Olarias, 42, Lisboa
Telefone
963691234
Horário
Das 19h às 23h, de quinta a sábado. Domingo, das 12h às 14h.


GPS
Latitude : 39.3999
Longitude : -8.2245
Partilhar
Mapa da ficha ténica Mapa da ficha ténica




Outros Artigos





Outros Conteúdos GMG





Send this to friend