Adorn, a joalharia de Viana que também é oficina e galeria de arte

Adorn, Viana do Castelo. (Fotografia de Rui Manuel Fonseca/GI)
Em Viana do Castelo, a Adorn comercializa peças em prata e materiais alternativos, incluindo resíduos industriais. Pertence à designer Lia Gonçalves e dispõe de oficina e galeria de arte.

É uma loja de joalharia contemporânea, numa cidade onde a ourivesaria é tradição. Mas ninguém parece estranhar a diferença. A “Adorn” de Liliana Gonçalves, que assina a marca “Lia Gonçalves”, situa-se na Rua Manuel Espregueira, número 93, inclui oficina e galeria, além de espaço de venda ao público, e até nem aposta em peças em ouro (só por encomenda).

Trabalha com prata e materiais alternativos, mais ou menos efémeros, alguns completamente surpreendentes. Desperdícios industriais, borracha, latão, porcelana ou celulose bacteriana (composto orgânico produzido por bactérias já aplicado à moda, cosméticos, setor alimentar e medicina). Neste último caso, o material degrada-se com o tempo, mas a jóia que inclui outros componentes, adquire novas formas e mantém a sua função original.

Algumas das peças da nova coleção da Adorn. (Fotografias de Rui Manuel Fonseca/GI)

A joalharia de Viana de Castelo fica situada na Rua Manuel Espregueira.

Conta a joalheira de 34 anos, cuja marca “Lia Gonçalves” já existe há dez , que a maioria das suas coleções inspiram-se muito no “sistema solar” imaginário da sua infância. As jóias são corpos celestes.

A sua coleção mais recente, que surgiu durante o confinamento e a que deu nome de “Coleção novelo”, vai buscar o design dos novelos e do enrolar dos fios pelas mães. E que o enovelado, também remete para o emaranhado dos pensamentos e da própria vida. As peças parecem inacabadas. “O público aprecia o conceito e não o material”, afirma a designer de joalharia, que também recebe nas sua loja coleções de outros autores não menos arrojados. Imagina, jóias em latão e cimento? A “Adorn” vende. Assim como objetos de decoração, cerâmicas e ilustrações, de criadores de Viana do Castelo.

Neste espaço, trabalha-se a prata e materiais alternativos, como resíduos industriais.

Pulseiras, colares, brincos e escravas, há peças para todos os gostos e os preços oscilam entre 13 e 600 euros. O cliente também pode assistir a trabalho ao vivo de criação e restauro de peças das joalheiras Ana Correia e Alexandrina Saraiva. E ainda visitar uma exposição de arte temporária.

Partilhar
Mapa da ficha ténica
Morada
Rua Manuel Espregueira, 93, Viana do Castelo
Telefone
258825767/967143792
Horário
De segunda a sexta, das 9h30 às 19h; sábado, das 9h30 às 13h15. Encerra ao domingo.


GPS
Latitude : 39.3999
Longitude : -8.2245




Outros Artigos





Outros Conteúdos GMG





Send this to friend