A Casa do Alentejo, em Lisboa, reabriu com visitas guiadas e brunch

Uma das salas do restaurante alentejano da Casa do Alentejo. (Fotografia de Reinaldo Rodrigues/GI).
A Casa do Alentejo, cujas paredes guardam séculos de história, reabre as portas ao público este sábado, para o retomar das visitas guiadas com brunch alentejano.

Sobre a Casa do Alentejo já muito se escreveu, mas não deixa de ser surpreendente, e necessário, conhecer mais a fundo a história deste espaço cultural fundado em 1923 como Grémio Alentejano. É isso que propõe Mário Gomes, cofundador da Storic, uma empresa que organiza visitas guiadas com escolas e público em geral. A iniciativa, que começara em janeiro, foi suspensa por causa do confinamento e é retomada a partir deste sábado, 17, com sessões às 10h, 11h e 12h, com brunch alentejano incluído.

O ponto de encontro é no impressionante pátio principal, pedra de toque do estilo revivalista que lhe conferiu arcos, janelas e plantas tropicais próprios de um qualquer destino do Norte de África, e que inspiram muitas fotografias. Em jeito de curiosidade e com alguma piada, o guia explica que muitos estrangeiros, ao olhar para o ambiente, assumem que as casas do Alentejo são assim – neoárabes -, mas logo explica que o que se vê foi herança das modificações introduzidas pelo Casino Majestic (talvez o primeiro de Lisboa), que abriu ali em 1918, no então Palácio Alverca, construído no século XVII.

A partir daí, sobe-se uma bonita escadaria que leva aos salões do piso superior. Dois deles estão ocupados pelo restaurante da Casa do Alentejo: um tem painéis de azulejos da autoria de Jorge Colaço, do século XX, a retratar cenas rurais do povo como fainas e caçadas; o outro tem paredes forradas com azulejos azuis e brancos, do século XVII, retirados do antigo palácio. O maior e mais impactante é, porventura, o salão de baile, repleto de lustres e paredes forradas a espelhos e estuques dourados, e que já acolheu todo o tipo de eventos (até um concerto de rock).

Percorrer os salões e dependências deste edifício – encaixado entre dois troços da muralha fernandina, que o mantém húmido no inverno e abafado no verão – é ouvir ranger as tábuas de madeira a cada passo e deter o olhar em pormenores reveladores de um passado grandioso. Disso mesmo dão conta os símbolos de cartas de jogar nos papéis de parede dos corredores, vestígios do casino e testemunhos ainda do clube masculino Le Monumental, que se instalou ali a partir de 1920 e era frequentado por uma elite de “refugiados” ricos europeus adeptos do jogo e de outros vícios.

Fundada em 1923 por alentejanos “desenraizados” por terem que migrar para a capital em busca de melhores condições de vida, a então Associação Regionalista Grémio Alentejano passou a chamar-se Casa do Alentejo. Hoje, com 1500 sócios, mantém-se como “a embaixada do Alentejo” na capital, ponto de convívio e eventos abertos à comunidade. Através das visitas guiadas, o espaço pretende dar-se a conhecer melhor aos portugueses (para que haja maior consciência da importância de o preservar), enquanto o turismo estrangeiro não desagua, de novo em força, na Rua das Portas de Santo Antão.

 

Partilhar
Mapa da ficha ténica
Morada
Rua das Portas de Santo Antão, 58 (Restauradores), Lisboa
Telefone
213405140/963143906
Horário
Horário dependente das normas do Estado de Emergência.
Custo
() Entrada gratuita.


Info
Inscrições nas visitas guiadas através do email [email protected] Preço: 15 euros (mín. 2/máx. 6 pessoas)
GPS
Latitude : 39.3999
Longitude : -8.2245




Outros Artigos





Outros Conteúdos GMG





Send this to friend