25 de Abril: passear pelos recantos da Liberdade em Lisboa

25 de Abril: passear pelos recantos da Liberdade em Lisboa
Largo do Carmo, no Chiado. (Foto: Reinaldo Rodrigues/GI)
Do largo que assistiu à queda do Estado Novo à igreja onde se combinou a emissão da senha que foi “Grândola, Vila Morena” e à rua onde o cravo nasceu como símbolo da Revolução de Abril, este é um passeio ao ar livre pela História da liberdade e democracia na capital.

Largo do Carmo e Rua do Carmo

Chiado

É um dos locais-chave da capital quando o tema é a Revolução de Abril. Foi no Convento do Carmo, mais concretamente na zona ocupada pelo quartel da GNR, que Marcello Caetano se refugiou durante 48 horas, até se render perante a revolução em força na rua, a 25 de Abril. O Largo do Carmo, no Chiado, foi assim o palco onde se concentraram os militares do Movimento das Forças Armadas, liderados por Salgueiro Maia, e centenas de populares, que assistiram na primeira fila à queda do regime salazarista. O largo é hoje um local mais tranquilo, com esplanadas à sombra para comer e beber – das quais se aprecia a traça pombalina em redor – e é também um habitual ponto de encontro junto ao seu chafariz, a meio da praça, reconstruído depois do terramoto de 1755.

A escassos passos daqui, importa ainda percorrer a Rua do Carmo, com comércio de rua a preencher cada um dos seus lados, e um significado especial nesta data. Celeste Martins Caeiro voltava para casa quando soube que o restaurante em que trabalhava não abriria neste dia. Na mão levava alguns cravos vermelhos, que iriam decorar o restaurante em dia de aniversário. Quando um soldado lhe pede um cigarro, na Rua do Carmo, diz que não tem. Em vez disso, oferece-lhe um cravo, tornando-se este momento num dos símbolos da Revolução e da democracia.

O Largo do Carmo, no Chiado. (Foto: Reinaldo Rodrigues/GI)

 

Onde comer

Ali ao lado, o concorrido pan-asiático Boa-Bao está de portas reabertas com os sabores de Laos, Indonésia ou Tailândia, entre sopas, caris, baos e salteados. Ao fim de semana, serve-se brunch. Não há reservas.

Onde dormir

A poucos metros encontra-se o The Art Gate, híbrido que junta galeria de arte, restaurante e quartos espaçosos, com tetos trabalhados, mármores elegantes e janelas altas. A garantia de noites tranquilas no coração da cidade.

O que visitar

O Museu Arqueológico do Carmo, um dos primeiros museus nacionais de arte, voltou a abrir portas. Oportunidade para (re)ver a exposição com peças que remontam à pré-História, e passar pelas Ruínas, símbolo gótico da capital a céu aberto.

Partilhar
Morada
Largo da Trindade, 16 (Chiado)
Telefone
210519360
Horário
Restaurante: Das 19h às 23h. Sábado, também das 13h às 14h30. Encerra domingo e segunda.


GPS
Latitude : 39.3999
Longitude : -8.2245
Partilhar
Mapa da ficha ténica Mapa da ficha ténica
Partilhar
Morada
Largo Rafael Bordalo Pinheiro, 30 (Chiado)
Telefone
919023030
Custo
(€) 25
Horário
Das 12h às 15h30 e das 18h30 às 22h30. Quinta a sábado, até às 23h30. Não encerra.


GPS
Latitude : 38.7113207
Longitude : -9.141786599999932
Partilhar
Mapa da ficha ténica Mapa da ficha ténica
Partilhar
Morada
Travessa do Carmo, 16, Braga
Telefone
929255229
Horário
Das 21h00 às 02h00. Sexta e sábado, das 18h00 às 06h00. Encerra de domingo a quarta.


GPS
Latitude : 41.55409059999999
Longitude : -8.426178700000037
Partilhar
Mapa da ficha ténica Mapa da ficha ténica

 


Igreja São João de Brito

Alvalade

Na madrugada do dia 25, pelas 00h21, “Grândola, Vila Morena” era tocada no programa de autor “Limite”, da Rádio Renascença, tornando-se numa das senhas da revolução – a primeira tinha sido, duas horas antes, “E Depois do Adeus”, de Paulo de Carvalho – e desencadeando o avanço do Movimento das Forças Armadas. O intemporal tema de Zeca Afonso fez-se tocar nos estúdios da estação de rádio, na altura situados na Rua Ivens, no Chiado, mas os bastidores desta parte fulcral da revolução tiveram lugar no bairro de Alvalade, mais concretamente na Igreja de São João de Brito, na Avenida da Igreja, conhecida pela sua fachada incomum, com formas de losango. Foi nesta igreja, na tarde de dia 24, que Carlos Albino e Manuel Tomás, jornalista e técnico da Renascença, se ajoelharam e fingiram estar a rezar, como disfarce para combinar em segredo e em segurança os pormenores da transmissão da senha nessa noite.

Igreja de São João de Brito, em Alvalade. (Fotografia: Gerardo Santos/GI)

Onde comer

Reaberto com nova esplanada pronta a estrear, o Soão – Taberna Asiática é morada obrigatória para comer em Alvalade. Na carta do chef Luís Cardoso estão clássicos como pad thai, as sopas tom yum, caris verde e vermelho e combinados de sushi e sashimi.

Onde comprar

Conservas, vinhos, chás, queijos, azeites e chocolates: cabe um pouco de tudo na nova mercearia de Alvalade. Na Dois Dedos de Conversa há produtos de Trás-os-Montes ao Alentejo e Açores.

Morada
Avenida de Roma, 100 (Alvalade)
Telefone
210534499
Custo
(€) Preço médio: 35 euros
Horário
Segunda a quinta, das 12h30 às 15h e das 19h às 23h. Sexta, até às 00h. Sábado, das 12h30 às 16h e das 19h às 00h. Domingo, das 12h30 às 16h e das 19h às 23h.


GPS
Latitude : 38.7543095
Longitude : -9.14453960000003
Partilhar
Mapa da ficha ténica Mapa da ficha ténica
Morada
Rua Acácio de Paiva, 6C, Alvalade, Lisboa
Telefone
211978841
Horário
Das 11h às 10h. Encerra domingo.


GPS
Latitude : 39.3999
Longitude : -8.2245
Partilhar
Mapa da ficha ténica Mapa da ficha ténica

 


Rua do Arsenal

Baixa

Entre as 07h e as 10h30 da manhã do dia 25, foi nesta artéria da Baixa pombalina que decorreram confrontos entre forças revoltosas da Escola Prática de Cavalaria de Santarém e forças fiéis do regime do Estado Novo, do Regimento de Cavalaria 7. O conflito ficou marcado pela atuação do tenente Alfredo Assunção, que tentou negociar com os opositores com serenidade, mesmo tendo sido agredido por um oficial do regime. A artéria que liga o Cais do Sodré à Praça do Comércio alberga hoje gelados, hotéis cinco estrelas, mercearias e conservas, mas já foi um dos epicentros da venda de bacalhau na capital, chegando a ter oito casas focadas no fiél amigo. Hoje, restam duas.

O Rei do Bacalhau, na Rua do Arsenal. (Fotografia: Paulo Spranger/GI)

 

Onde dormir

O cinco estrelas Corpo Santo Hotel chegou há quatro anos, unindo tradição e modernismo pelos 79 quartos e três pisos. Os Descobrimentos e a portugalidade servem de inspiração à decoração e aos pormenores.

Onde comprar

A casa de Fernando Dias, também conhecido como o Rei do Bacalhau, já soma seis décadas, sempre com público fidelizado, antes e pós-pandemia. Às variedades de bacalhau juntam-se enchidos, leguminosas a granel, queijos e conservas.

Morada
Avenida Conde Valbom, 71A (Praça de Espanha), Lisboa
Telefone
217960260
Custo
(€€) Preço médio da refeição: 30 euros por pessoa
Horário
Das 12h às 23h. Não encerra.


GPS
Latitude : 38.737172
Longitude : -9.15136480000001
Partilhar
Mapa da ficha ténica Mapa da ficha ténica
Partilhar
Morada
Largo do Corpo Santo, 23-25 (Cais do Sodré), Lisboa
Telefone
218288000
Custo
(€€) Suite Prestige desde 400 euros/noite, com pequeno-almoço.


GPS
Latitude : 38.70723
Longitude : -9.142686000000026
Partilhar
Mapa da ficha ténica Mapa da ficha ténica

 


Monumento de Evocação ao 25 de Abril

Parque Eduardo VII

Pesa 90 toneladas, compõe-se de um obelisco de seis metros de altura, de forma fálica (o que levou a várias críticas), e duas colunas em mármore branco, para simbolizar a força viril da revolução. Foi para assinalar os 25 anos da data que este monumento assentou arraiais no topo do Parque Eduardo VII, junto ao Jardim Amália Rodrigues, pelas mãos de João Cutileiro. O lago artificial à sua volta e a vista panorâmica sobre Lisboa apelam a um passeio por aqui.

O Monumento de Evocação ao 25 de Abril, no Jardim Amália Rodrigues. (Fotografia: Gerardo Santos/GI)

 

Onde comer

Ali mesmo ao lado, está a cozinha de autor de Joachim Koerper, que levou uma estrela Michelin ao Eleven. Peixe do dia com feijão branco e trufa preta e magret de pato com endívia, maçã e molho de laranja são pratos dos dois menus, que podem ser recolhidos à porta e levados para casa.

Partilhar
Partilhar
Mapa da ficha ténica
Morada
Rua Marquês de Fronteira (Parque Eduardo VII), Lisboa
Telefone
213862211
Horário
Das 12h30 às 15h00 e das 19h30 às 23h00. Encerra ao domingo.
Custo
(€€€) 75 euros


GPS
Latitude : 38.728729
Longitude : -9.158844000000045

 


Rua de São Bento

São Bento

Um passeio ao sabor da liberdade tem que passar pela casa que simboliza a democracia, remontando ao verão de 1976, altura em que os primeiros 221 deputados, democraticamente eleitos pelo povo português, se sentaram pela primeira vez nas cadeiras da Assembleia da República. Política à parte, a extensa Rua de São Bento oferece outras atrações para uma caminhada tranquila: de lojas de artesanato e decoração a mercearias, geladarias e casas de arte.

A nova exposição da Sokyo Lisbon. (Fotografia: DR)

O que visitar

A galeria Sokyo Lisbon acaba de estrear uma nova exposição coletiva, a Japanese Blue, onde seis artistas contemporâneos nipónicos apresentam trabalhos onde exploram o azul, cor representativa da cerâmica japonesa.




Outros Artigos





Outros Conteúdos GMG





Send this to friend