Há um hostel de charme dentro da estação de São Bento

Instalado nos antigos escritórios da estação de caminhos de ferro de São Bento, no Porto, The Passenger é um hostel com upgrade: um dos pisos tem alojamentos que são quase, quase apartamentos.

«Criámos uma tipologia de quarto mais qualificada em que o espaço é privado mas com o espírito de hostel», explica Rita Corrêa Figueira do The Passenger Hostel, um estabelecimento hoteleiro no centro do Porto com pouco mais de 6 meses de vida e que conta com dois andares de alojamento: o Piso 2 com as típicas camaratas em que o valor cobrado é à cama e o Piso 1 onde os quartos são privados, com capacidade até cinco pessoas (dependendo do número da porta), e onde é possível a uma família comum (ou um pequeno grupo) dormir com privacidade.

Esses quartos privados (nove no total) são compostos por uma cama de casal que se situa num mezanino e beliches ou camas de gavetão ou sofás camas que se situam debaixo dessa estrutura construída de propósito para o efeito. O pé direito de mais de 4 metros da ala norte da estação de comboios de São Bento permitiu criar a engenhosa solução, dividir espaços e fazendo destes quartos privados quase, quase apartamentos. Dentro de portas faltam as casas de banho e a cozinha que ficam do outro lado do corredor, à mão de semear.

Rita desenvolve o que é a experiência hostel que, apesar de privados, estes quartos parecem permitir ter e que se distingue da estada num hotel: «Num hostel, as pessoas trocam experiências entre si, têm um relacionamento mais próximo do staff». É por isso que os espaços comuns do The Passenger Hostel são muito amplos e têm várias valências, a começar pelo generoso lobby, logo no piso inferior, com amplos sofás, bar, cafetaria e internet grátis.

Para quem quer uma experiência de hostel-hostel estão as camaratas do Piso 2 que variam entre femininas, masculinas e mistas. Os beliches aqui são estruturas fixas em madeira maciça, presas à parede, com três camas individuais de proporções muito generosas, luzes individuais e cortinas grossas e para permitir ter, ainda assim, alguma privacidade e controlo do sono.

«Ver o hostel apenas como um alojamento low cost é redutor. Acreditamos que a opção é feita sobretudo pela experiência e pelo modo diferente de viajar e estar no estrangeiro e acreditamos também que as pessoas que escolhem um hostel também gostam de qualidade e de elevado nível de serviço», refere Rita Corrêa Figueira. A gerente gosta de ver o The Passenger como um «hostel de charme» e a definição assenta ao espaço. Do serviço, à arquitetura e ao design do espaço é visível o cuidado com que tudo foi feito. Este não é um lugar simplesmente para dormir de forma improvisada, é um hostel para passar uma temporada com muito conforto.

Se o convívio é uma das razões que leva os viajantes a procurarem hostels, na visão da equipa que fundou o The Passenger, a este não podia faltar uma cozinha de áreas generosas, mesas corridas e espaço de convívio para ficar à conversa horas e horas depois do jantar. Efetivamente, é o que acontece na cozinha comum do Piso 3 que tem todas as valências necessárias à autonomia gastronómica dos hóspedes com fogão, frigorífico, utensílios, pratos e talheres. É também aqui que são servidos os pequenos-almoços da responsabilidade do The Passenger e que são uma belíssima experiência e uma excelente forma de começar o dia. O Porto está logo ali, à saída da porta. E o Douro inteiro, a um bilhete de comboio de distância.

Partilhar
Partilhar
Mapa da ficha ténica
Morada
Estação de S. Bento, Praça Almeida Garrett, Porto (Baixa)
Custo
() Desde 19 euros (cama em camarata, com pequeno-almoço).


GPS
Latitude : 41.145837
Longitude : -8.610228000000006

Leia também:

Vai reabrir um dos cafés mais emblemáticos do Porto
Há uma festa de São Valentim para solteiros no Porto
Croissants: os clássicos e os novos no Porto e Norte