Estes terraços de Olhão são de cortar a respiração

Há terraços a perder de vista em Olhão. A Casa Fuzetta, que pode albergar até 24 pessoas, é um exemplo primordial disso mesmo.

Cada terraço da Casa Fuzetta é único, sem ser o único. Porque cada um deles oferece uma vista de ângulo diferente para os cubos brancos que formam a paisagem de Olhão e lhe justificam a alcunha de «cidade cubista». Mas há mais para descobrir neste grandioso edifício, outrora habitação de um ilustre olhanense, o advogado, deputado e filantropo Carlos Fuzeta. Apesar da degradação em que se encontrava há dois anos e de, na altura, se encontrar dividida em três edifícios independentes, foi paixão à primeira vista para um casal de britânicos, Tara Donovan e Jonathan Tod.

Com ajuda do arquiteto local Filipe Monteiro – que muito tem contribuído para que se mantenha a traça original dos edifícios que a crescente comunidade internacional está a adquirir e recuperar –, Tara e Jonathan devolveram a imponência à Casa Fuzetta.

Os doze quartos têm todos casa de banho privativa. Há duas cozinhas, uma de serviço e outra para usufruto dos hóspedes, com a possibilidade de se estender para um dos terraços. Há salões de jogos, piscina, sala de meditação. A ideia dos proprietários não é receber hóspedes mas sim grupos, daí que só aluguem a casa na totalidade. Há razões piores para começar a ligar aos amigos.

 

Leia também:

Castro Marim: passeio pelo Algarve profundo e genuíno
Há um refúgio verde escondido entre o Algarve e Lisboa
Os dois chefs que trouxeram mais estrelas ao Algarve