Crítica de vinhos: a casta que liga Portugal e Espanha

A fina fronteira que separa a norte os dois países celebra desde sempre uma amizade insuspeita e franca. Os maciços graníticos, a influência atlântica e a altitude põe espanhóis e portugueses a dizer bem uns dos outros.

Continuamos a dizer mecanicamente que do país vizinho nem bom vento nem bom casamento, mas cada vez que olhamos para a casta Alvarinho mudamos de ideias. Não podia haver perfis mais distintos, a casta exprime-se de forma diferente num e noutro país, mas há uma proximidade geográfica tão grande que intimamente se agrega em vez de segregar.

Nós gostamos dos albariños, dizem-nos muito e nalguns casos até os preferimos aos autóctones. Os espanhóis veneram os nossos solos de aluvião, encosta e montanha e as diferenças que cada um incute na casta. Temos de facto uma selva aromática notável nos vinhos alvarinho e sentimo-nos sempre à vontade quando abrimos uma garrafa.

A recém-criada designação Monção e Melgaço é o resultado do agrupamento alvarinho dos dois terroirs, para fazer sobressair ainda mais as virtudes do Alvarinho. Fizemos uma pequena seleção de que aconselhamos prova e guarda. E por ser uma casta branca e estarmos com o inverno à porta não devemos coibir-nos de beber os vinhos, como sempre, em boa companhia. Boas provas!

Percorra a fotogaleria acima para ficar a saber os preços e detalhes dos vinhos.

 

Leia também:

Crítica de vinhos: a maturidade da Quinta de S. José no Douro
Monção e Melgaço brindam ao vinho com evento especial
Passear numa avenida de rio e de Vinho do Porto