Novo livro tem mais de 100 receitas de doces

Mafalda Agante, autora do blogue «Há alguém mais gulosa do que eu?» acaba de lançar um segundo livro, com mais de 100 receitas de doces. Há opções sem glúten, sem açúcar refinado e vegan.

Ainda considera que tem «o melhor emprego do mundo»?
Sem dúvida. Não tenho tido muito tempo para visitar hotéis, restaurantes e pastelarias, para provar a melhor doçaria, porque estou dedicada à loja [«Há alguém mais gulosa do que eu?», em Coimbra]. Agora o meu trabalho é comer bolos dos meus (risos). Tenho de testar, provar e, às vezes, adaptar. Portanto, continuo a ter o melhor emprego do mundo: comer doces.

Por que decidiu lançar este livro, um volume dois?
É um volume dois, uma vez que já existia o livro com o nome da marca «Há alguém mais gulosa do que eu?». Tem receitas que vão desde o pequeno-almoço até bolos de aniversário e para eventos, para casamentos… É um livro com mais de 100 receitas para celebrar o melhor da vida.

Então, não tem só receitas de bolos, como o primeiro.
Neste livro encontramos doces que podemos ingerir sem sentimentos de culpa, opções vegan, opções saudáveis, sem açúcar refinado ou sem glúten, receitas de pequeno-almoço, desde batidos até bolachinhas, doces que se fazem em menos de cinco minutos, receitas tradicionais ou de inspiração conventual, sugestões de verão e de inverno, bolos perfeitos para festas… Alguns dão para bolos de casamento, como o de maracujá com creme de baunilha, de vários andares, muito bonito e saboroso.

A palavra «saudável» pode ser associada a um doce?
Se não tiver açúcar, se não tiver glúten, se for vegan, acho que sim. Um doce não tem de levar açúcar. Por exemplo, os queques de batata doce e noz, vegan e sem açúcar refinado, são um tipo de doce que os pais podem dar aos filhos.

Correu o país a experimentar doces. O que concluiu sobre a doçaria portuguesa?
Continuo a achar que temos a melhor doçaria do mundo. É muito rica. Temos receituário com centenas de anos. A nossa doçaria conventual, bem feita e com matérias-primas de qualidade, é a melhor do mundo.

Licenciou-se em Jornalismo e trabalhou na área. Fazer doces e dá-los a conhecer também é comunicar?
É. É uma forma de transmitir a minha paixão, e não há nada que me deixe mais feliz do que provocar sorrisos. Costumo dizer que os doces fazem bem à alma. Fazer um bolo de aniversário e a pessoa dizer-me que foi o melhor chantili que comeu até hoje, porque é feito com natas biológicas, e ela percebe a diferença, deixa-me feliz. A pessoa sorrir com um doce.
Apresentações gulosas
O livro «Há alguém mais gulosa do que eu? Vol. II» é apresentado nos próximos dias 19, 26 e 27, em Coimbra, Porto e Matosinhos, respetivamente. Páginas: 192. PVP: 16,50 euros.

 

Leia também:

Entrevista: O livro que mostra o lado mais pessoal de 21 chefs
Lisboa: nova Almedina é casa de livros e histórias
La Dolce Rita: do Youtube aos livros de sobremesas