Tudo sobre o novo Jamie’s Italian de Lisboa

Volvido quase um ano desde que foi anunciado, o Jamie's Italian abriu portas, de frente para o Príncipe Real. Sem Jamie Oliver, mas com «pratos clássicos italianos» e o seu toque pessoal.

«Lisboa é uma cidade excitante, com uma incrível cena gastronómica e gente extremamente entusiástica com a sua comida.» Jamie Oliver responde, no seu estilo expansivo e adjetivado, ao porquê de abrir um restaurante aqui e agora. Não, o chef britânico não veio a Portugal para inaugurar a sua primeira filial em solo ibérico – «Irei a Lisboa num futuro próximo, mas não na inauguração, para não criar distração», disse em agosto, numa conversa repartida entre a apresentação do seu livro 5 Ingredientes, em Londres, e a conclusão via e-mail, semanas depois.

O Jamie’s Italian de Lisboa abriu aos poucos, sem alarde ou qualquer espécie de fogo-de-artifício, na semana passada. Para que não se desse um passo maior do que a perna – é grande a pressão sobre um restaurante que abre com uma expectativa tão elevada. E expectativa será, talvez, o primeiro assunto a tratar. O Jamie’s Italian é, mais do que marca de cozinha de autor, uma franquia de restaurantes de comida italiana que conta com 40 moradas na Grã-Bretanha e outras 31 espalhadas por todos os continentes. O espírito jovial, informal e comunitário de Oliver está bem presente – na decoração, no serviço informado e bem-disposto, na própria oferta do menu. Porém, entenda-se, este não é um sítio dedicado à criatividade culinária. «Trata-se», palavras do próprio, «de juntar pessoas em redor de pratos clássicos italianos com um toque pessoal».

O espaço é acolhedor, convidativo ao convívio. Divide-se por três pisos, cheios de recantos e de recato, de tal forma que não se chega a ter noção dos 174 lugares da casa – repartidos entre duas salas, dois terraços com vistas imbatíveis sobre a colina do castelo e uma sala privativa na cave com mesa para dezoito.

Leia aqui a entrevista da Evasões a Jamie Oliver sobre o novo restaurante

Na carta, há capítulos bastante completos de pizas (de massa fina, à base de fermento artesanal), de massas (feitas na casa, a partir de farinha 00 e ovos de galinhas criadas ao ar livre) e de secondi, pratos principais como costeletas de borrego grelhadas com pimento e cebola assada, ou o acqua pazza, peixe estufado em vinho, alcaparras, azeitonas, tomate e água do mar.

 

Um dos pratos que se pode provar: linguine de camarão

Um dos pratos que se pode provar: linguine de camarão

 

Sim, a secção de substância é substancial, mas quem focar a atenção na lista de antipasti e por aí se deixar ficar não se verá mal servido. Desde logo, as tábuas (fabricadas em Portugal para toda a cadeia Jamie’s Italian, à semelhança de algumas loiças) carregadas de petiscos, disponíveis nas versões carnívora e vegetariana. A primeira traz um festim de charcutaria italiana: presunto de San Daniele, salami toscano com funcho, mortadela de pistácio, azeitonas mamute, alcaparras, mas também queijo pecorino sobre folha carta di musica e mozarela de búfala com pasta de tomate. A vegetariana junta a estes dois queijos legumes grelhados marinados em alho e azeite, crostini com ricota, e puré de feijão com alho e harissa. Mas depois há também frituras exemplares – a de cogumelos e a de lulas fritas com alho e malagueta –, um guloso pão de alho e mesmo guarnições extra que dão belos petiscos (sirvam de exemplo a polenta e a salada roxa).

Ainda que a carta obedeça a um padrão internacional da cadeia, a introdução de produtos nacionais é uma preocupação presente, a par do cumprimento de exigentes padrões em matéria de bem-estar animal e produção sustentável. Para já, sobressaem na carta os vinhos portugueses, que dividem protagonismo com os italianos, e o queijo da ilha adicionado ao Jamie’s Italian burguer. De resto, valerá sempre a pena estar atento à lista de pratos do dia, onde o peixe e o marisco da costa portuguesa podem vir a marcar presença – e ir passando pelo Príncipe Real, não vá o próprio Oliver calhar a estar de visita.

 

Partilhar
Mapa da ficha ténica
Morada
Praça do Príncipe Real, 28 A (Príncipe Real)
Telefone
925301411
Horário
Das 12h00 às 16h00 e das 19h00 às 23h00; sexta e sábado, até às 00h00 (ininterrupto a partir de março). Não encerra.
Custo
(€€) 25 euros


GPS
Latitude : 38.7167451
Longitude : -9.148034800000005

Leia também:

Entrevista completa a Jamie Oliver: « Lisboa é uma cidade excitante, com uma cena gastronómica incrível»
10 restaurantes para ir no elegante Príncipe Real
6 bares com lareira para as noites frias na Grande Lisboa