Com esta rede social já pode ir jantar a casa de outras pessoas

A plataforma social TastePlease já chegou a Portugal. O jantar de estreia decorreu em Lisboa e contou com a presença de Frank Lantz, CEO desta start-up dinamarquesa que já chegou a 25 países.

Este foi o primeiro jantar organizado em Portugal através da TastePlease, uma plataforma social que junta pessoas à volta da comida. O dinamarquês fundador da plataforma, Frank Lantz, aproveitou a feliz coincidência de estar na WebSummit para estar na estreia portuguesa. E foi assim que se tornou um dos 12 convivas à mesa do casal francês Stéphanie e Pierre, na sua casa no Beato, para um jantar inspirado no Médio Oriente.

A Evasões assegurou outro dos lugares deste jantar onde se conversou em inglês como se todos se conhecessem há muito, com os comensais a mergulhar pedaços de pão numa tijela com húmus enquanto na cozinha se ultimavam os pratos. O pretexto da comida a diluir barreiras geográficas, afetivas e sociais. A TastePlease, lançada em março, já registou 90 jantares como este um pouco por todo o mundo, reunindo 5500 utilizadores, 400 deles no nosso país. «A plataforma está a trabalhar de uma forma muito orgânica, como uma rede social, então por causa disso temos jantares na Colômbia, na Grécia, Espanha, Lisboa. Este é o primeiro em Portugal», contou Frank Lantz.

O ex-chef de cozinha trabalhou em vários restaurantes de Copenhaga, onde a empresa está sediada, e há um ano apostou na TastePlease com a ambição de «revolucionar a forma» como as pessoas comem fora de casa, nas casas de outros. Qualquer pessoa pode ser um convidado ou um anfitrião. Para isso, basta criar um perfil na plataforma (disponível para desktop ou dispositivos móveis em 19 idiomas) e publicitar o evento do jantar com as informações básicas: localização da casa, tipo de ementa, número de convidados e preço. A TastePlease cobra uma comissão de 6% e tem um sistema de garantia para que ninguém pague por um jantar que possa não vir a existir. Outro dos recursos da plataforma é a pesquisa de eventos pela localização, menu, preço, tipo de local e evento e também dá para partilhar receitas e conversar com outros utilizadores.

Os números e interesse demonstrado por outros anfitriões e food bloggers, nomeadamente em Portugal, provam que este tipo de experiência é apetecível, sobretudo para quem não tem tempo para cozinhar ou está de viagem e quer provar comida local autêntica.

Agora que o jantar está pronto, todos se sentam à mesa. Stéphanie elogia o vinho produzido pelo marido no sul de França e conta como ao fim de nove anos a viverem na China decidiram mudar-se com os dois filhos pequenos para os ares límpidos de Lisboa. Frank Lantz, encantado com a comida feita por um chef francês amigo deles, resume tudo numa ideia. «Percebemos que a coisa mais importante para as pessoas eram ter um bom anfitrião. Sentirem-se bem-vindas e felizes. E então conhecer outras pessoas. É incrível».

 

Leia também:

Uma semana para aprender, comer e beber à italiana
Comida do mundo no Porto: 7 sugestões a não perder
Conheça as cidades mais populares no Instagram em Portugal