Este restaurante em Lisboa voltou a estar na moda

Frequentado por uma certa elite, o Saraiva's, em Lisboa, é um clássico dos anos 1970. Reabriu agora com roupagem moderna e nova carta pelas mãos da dona do Tágide e do chef Gonçalo Costa.

A experiência só podia começar por um dos clássicos, neste caso, pela sopa de cebola gratinada que Gonçalo Costa decidiu manter na carta, dando-lhe um toque especial. «A história do Saraiva’s não podia ser esquecida», comenta o chef. Mais do que apenas lembrada, foi recuperada com a descoberta de algumas receitas antigas e com um trabalho de reconstituição dos pratos clássicos de Lisboa com a ajuda do gastrónomo Virgílio Gomes. Os clássicos estão lá, sim, enquanto outros deram lugar à contemporaneidade que Suzana Barros de Brito quis trazer para o Saraiva’s, à imagem e semelhança do que fez no Tágide, outro clássico revitalizado, no Chiado.

Contemporaneidade rima com tropicalidade. Essa, inspirada nos cinco anos que o chef passou no Brasil e que se observa nos pratos exóticos com estrelícias da Bordalo Pinheiro, nas plantas e no verde dos azulejos. A arquiteta de interiores Teresa Monteverde abriu a sala à luz natural e tornou-a mais leve, mantendo apenas os candeeiros da época e o painel de cerâmica do século XIX que pertence à casa desde a fundação.

O balcão de bar também se manteve no mesmo sítio e em breve terá cocktails de assinatura com técnicas de cozinha e reinterpretações como negroni fumado com pau de canela. Por estes dias, é Gonçalo Costa que dá a provar a nova carta, que além do icónico bife à Saraiva’s (com molho de café, chips e legumes da época grelhados) tem t-bone grelhado em carvão com três molhos clássicos, corvina com espargos e ostras, e lulas recheadas com sopa da pedra, entre outros pratos antecedidos do couvert marcado por um doce pão de banana (espécie de focaccia cuja massa leva banana caramelizada). A recriação do crepe Suzette é de prova obrigatória.

Além da sala principal, há uma outra, privada, com uma mesa de madeira para 17 pessoas, onde a ideia é servir menus exclusivos. Dois andamentos que concorrem para o mesmo objetivo: recolocar o Saraiva’s no mapa da boa restauração de Lisboa, tanto para quem não tem muito tempo como para quem quer passar boas horas à mesa e em boa companhia.

 

Partilhar
Partilhar
Mapa da ficha ténica
Morada
Rua Engenheiro Canto Resende, 3 (Parque Eduardo VII)
Telefone
213404010
Horário
Das 12h30 às 15h00 e das 19h30 às 00h00. Encerra ao domingo.
Custo
() Preço médio: 20 euros


GPS
Latitude : 38.7316762
Longitude : -9.152532699999938

 

Leia também:

Lisboa: 8 sugestões para o primeiro fim de semana do verão
8 bares de praia na Grande Lisboa para ir este verão
18 terraços em Lisboa obrigatórios no verão de 2018