Uma mesa bem portuguesa para descobrir em Lisboa

Depois de uns bons anos no Brasil, onde ajudou a elevar a cozinha portuguesa a um outro patamar de exigência, Ilda Vinagre, que muitos recordam do saudoso A Bolota, está de volta com o recém-inaugurado S Restaurante & Petiscos.

Abriu em agosto, num espaço que já existia para os lados do Largo do Rato. Manteve o nome e herdou boa parte da clientela, sobretudo a quem vem à hora do almoço. Sem grandes pressas, Ilda Vinagre, que ainda está a afinar uma série de coisas — da decoração das três salas ao horário e às próprias ementas —, veio para ficar. Depois de uma larga temporada em São Paulo, onde ajudou a consolidar a fama dos restaurantes Bela Sintra e Chiado (duas grandes referências da cozinha portuguesa além-mar), ela, que foi feliz em Terra Brasilis, achou ser a hora de voltar — sentia falta da família. Comunicou a sua intenção a Carlos Bettencourt, o empresário português da restauração radicado no Brasil responsável pela sua ida, e este propôs-lhe sociedade num restaurante em Lisboa. Em seis meses estava resolvido — «o ciclo Brasil está fechado, mas espero lá voltar de vez em quando como consultora», diz.

A ribatejana, que muitos julgam alentejana pelo seu apego àquela gastronomia regional, nunca perdeu nem ligação ao nosso país — «todos os anos vinha passar uma temporada de dois meses» — nem aos nossos produtos — «gosto de usar produtos brasileiros como o azeite de palma ou a mandioquinha, mas foi às nossas coisas que sempre me mantive fiel; graças a mim, muitos brasileiros começaram a comer ervilhas com ovos escalfados, o meu cozido de grão, que desconheciam, e até a carne de alguidar, apesar da resistência com a carne de porco, cuja criação nada tem que ver com a nossa».

Na sua passagem por vários restaurantes, em Portugal e no Brasil, Ilda Vinagre cozinhou para personalidades como Bono Vox, Amália Rodrigues ou Ronald Reagan

Lá, como cá, Ilda sabe que é a sua comida que fala mais alto; é por ela que as pessoas vêm: as que já a conheciam, do Brasil ou do saudoso A Bolota (o restaurante que fundou na Terrugem juntamente com a cunhada Júlia Vinagre, entretanto falecida, e que teve uma estrela Michelin), e as que a estão agora a descobrir. Aos almoços, a ementa é escrita na ardósia e varia diariamente, sendo que alguns têm dia certo (como à sexta-feira) para comer especialidades suas como o cozido de grão, servido num tarro típico, ou a famosa carne de alguidar (leva cinco horas a cozinhar) servida com migas de pão.

À noite, é serviço à la carte, só que a chef, como fazia n’A Bolota, escuta os vários pedidos — «algumas pessoas falam-me de pratos de quem nem eu me recordava!» — e tenta atendê-los. «Com a chegada do outono vou alargar a carta e incluir pratos meus muito desejados como a perdiz de escabeche ou a lebre com grão», promete. E promessas são dívidas.

Paixão de infância
Aos onze anos já era ajudante de cozinha numa pensão de Lisboa, mas conta que as suas memórias com tachos e panelas são ainda mais antigas. Desde que se conhece por gente. Além da sua passagem por várias restaurantes, em Portugal e no Brasil, cozinhou para personalidades como Bono Vox, Amália Rodrigues, Ronald Reagan, entre outros.

 

Partilhar
Mapa da ficha ténica
Morada
Rua de São Filipe Néri, 14, Lisboa
Telefone
213866372
Horário
Das 12h00 às 16h00; sexta até às 01h00; sábado das 19h30 às 01h00; encerra ao domingo
Custo
(€) Preço médio: 20 euros


GPS
Latitude : 38.7205603
Longitude : -9.154174000000012