A receita com lulas do anzol do chef Bertílio Gomes

São parecidas com o polvo em quase tudo. Mas no sabor e textura, as lulas são únicas e exprimem diretamente o habitat em que medram. Bertílio Gomes propõe o cefalópode na forma mais imaculada, de anzol.

Receita do chef Bertílio Gomes

Lulas do Anzol com camarão, funcho e tomate assado
(4 pessoas)

Ingredientes:
. 800 g de lula grande do anzol
. 8 camarões
. q.b. de sal marinho
. 4 bolbos de funcho
. 200 g de tomate-cereja
. q.b. de rebentos de coentro
. 1 dl de azeite virgem extra
. 1 limão
. q.b. flor de sal
. ½ dl de caldo de galinha
. 1 dente de alho

Preparação:
Cortar o funcho em cubos, estufar num pouco de azeite e juntar o caldo de galinha, temperar, deixar cozer com o tacho tapado. Retirar metade do funcho com o caldo que se obteve e triturar muito bem, juntar o creme obtido de funcho aos cubos de funcho que se reservaram.

Pelar o tomate-cereja , juntar um pouco de azeite e levar ao forno bem quente durante 1 minuto, para assar ligeiramente sem perder a forma, temperar de flor de sal.

Limpar as lulas e descascar os camarões, temperar com sal marinho, e grelhar sem deixar passar em demasia.
Preparar um vinagrete com 1 dente de alho picado, o sumo de limão, emulsionar com azeite e juntar os rebentos de coentros. Laminar a lula e temperar com este vinagrete.

Servir a lula e os camarões com o creme de funcho e os tomates-cereja, finalizar com rebentos de coentros.

 

Tributo às águas frias do Atlântico

O mar português é gerador de uma fauna diversificada de peixes, mariscos e moluscos e é todo ele agitado, frio e profundo. O que cresce nos nossos mares esforça-se mais e luta mais pela sobrevivência do que, por exemplo, o que provém das latitudes tropicais e subtropicais. A proporção pode atingir quatro para um na dimensão generosa de um crustáceo criado em águas marroquinas quando comparado com o que temos na nossa costa. Rende mais, diz-se, e é verdade, alimenta mais bocas. Mas o sabor do nosso é incomparável, o mais pequeno é, no caso muito, mais saboroso. E as lulas saem do mar com uma fibra firme que se oferece ao corte na boca com textura única. Requer cuidado na cozedura, é certo, mas está praticamente pronta a comer desde o primeiro instante.

O chef Bertílio Gomes venera o produto atlântico e chama a si com particular carinho as espécies a que, sem querer, damos menos importância. Conhecemos os seus trabalhos com o polvo e a batata-doce, familiares para um algarvio como ele, mas hoje dá um passo em frente, propondo a lula pescada a anzol e a raiz de funcho como base de um prato simples mas muito saboroso. Como sempre, fácil de executar. Boas experiências!