Porto: um restaurante com pizas sempre a sair e vista sobre o Douro

O Bocca afirma-se como restaurante para toda a família, onde a comida é bem feita, as pizas saem do forno monumental e os olhos também comem uma das melhores vistas da cidade.

É difícil encontrar um lugar para almoçar ou jantar tão encantador como este ca­sulo envidraçado com am­pla vista para o rio Douro, no tran­quilo jardim do Passeio Alegre. Pa­ra ir conhecer o Bocca, que desde o verão ocupa o lugar onde duran­te anos esteve a cervejaria Portu­gália, vale bem a pena sair da con­centração de restaurantes da Baixa (e para ali até se pode ir de elétrico) e não só pela beleza da paisagem.

Além da esplanada, pouco se vai encontrar da vida anterior do espaço, que foi criado para criar aconchego, tanto pelo ambiente, com algumas antiguida­des, como pela carta, que é des­pretensiosa e feita para congre­gar gostos. Nela há pratos mais clássicos, como o costoletão ou o bacalhau ou robalo, outros mais na moda – ceviches e os carpac­cios – e ainda uma boa oferta de pizas, já que o Bocca é também uma pizaria tradicional. E a pro­vá-lo está o grande forno a lenha, que domina uma parte da sala, onde as pizas são feitas à vista.

«A nossa ideia foi tornar o es­paço transversal em termos de público, ter aqui pais, filhos e ne­tos e uma cozinha que fosse com­preensível para todos, sem outra pretensão que não seja usar as me­lhores matérias-primas. Não te­mos pretensão de sofisticação», explica um dos sócios do Bocca, Manuel Tavares de Pina, que an­tes geriu casas conhecidas na ci­dade, como o Al Forno e o D’Oliva.

«A pizaria é uma das nossas âncoras, mas para dar mais com­plexidade e delidadeza à carta, te­mos carnes das melhores proveni­ências, carnes maturadas do País Basco, temos peixe que compra­mos aos pescadores da Cantereira e também um toque de atualida­de, com os ceviches e os tártaros», descreve Tavares de Pina. O ape­lido repete-se na cozinha, já que o chef, João, é irmão de Manuel.

O bar, ao centro da sala, é usa­do para o serviço e para quem pre­ferir comer ao balcão de madei­ra maciça. Junto a ele encontra-se uma réplica de uma lareira africa­na, rodeada de bancos de um an­tigo teatro de Lisboa – alguns dos detalhes decorativos curiosos do Bocca, que nos podem fazer des­viar por momentos os olhos da vista lá fora.

 

BOCCA

Rua do Passeio Alegre, Jardim das Sobreiras (Foz).
Tel: 226170004.
Facebook: restaurantebocca
Todos os dias, das 12h00 às 15h00 e das 20h00 às 23h00 (até às 16h00 e às 00h00 ao fim de semana).
Preço médio: 25 euros.