Patrícia Gerardo: da televisão para a cozinha do Sazonal, em Pombal

(Fotografia de Nuno Brites/GI)
Depois de vencer o concurso televisivo “Hell’s kitchen”, Patrícia Gerardo dedicou-se a um pequeno restaurante. E continua a fazer magia ao fogão. Os primeiros anos levaram-na da aprendizagem em Coimbra a uma longa e decisiva temporada na Bélgica.

Patrícia Gerardo acredita que talvez não tivesse ainda altura suficiente para chegar ao fogão quando dava por si a admirar a avó a cozinhar. Não cresceu muito em altura (terá pouco mais de um metro e meio), mas agigantou-se na cozinha desde cedo. Aos 12 anos já fazia o almoço para o pai, que ia a casa almoçar. “Sempre gostei de experimentar especiarias”, conta a “Evasões” a cozinheira de 31 anos, que se tornou conhecida no país quando venceu a edição do ano passado do programa “Hell’s kitchen”, sob a batuta do chef Ljubomir Stanisic. Mas antes disso, tanto que ela andou para ali chegar.

Entre as experiências com “uma espécie de arroz à valenciana” que se tornou o primeiro prato que fez, ainda criança, até entrar na Escola Profissional de Leiria, passaram alguns anos e muitas dúvidas. Os pais e os professores perceberam logo que o curso de artes em que ingressou, no Externato da Benedita, concelho de Alcobaça, não seria o destino final da pequena Patrícia. Até que, findo o primeiro ano, do secundário, acabou por ingressar no curso de cozinha e pastelaria.

Patrícia Gerardo, 31 anos, lidera a cozinha do Sazonal. (Fotografias de Nuno Brites/GI)

Mas terminada a formação, tardava em conseguir emprego. Foi quando decidiu fazer uma especialização na Escola de Hotelaria de Coimbra. De Leiria já trazia o namorado, Jeremy, que conheceu entre pratos – e que ainda hoje é o companheiro na cozinha e na vida. O casal haveria de responder à chamada do Hotel Dukes Palace, em Bruges, na Bélgica, e por lá ficar quase oito anos. Patrícia começou como ajudante de cozinha, mas nos últimos dois anos já era sub-chef. “Aprendi muito lá. Foi uma boa experiência. Mas sempre pensámos em regressar ao nosso país.”

A pandemia deu uma ajuda. Em 2020, embalaram a trouxa e zarparam para a terra natal dele, no concelho de Pombal. Patrícia conta esta história à mesa do restaurante que ali abriu, às portas da cidade, já há dois anos. Chama-se Sazonal e procura acompanhar na carta as várias estações do ano. De permeio, viu o anúncio para o programa de televisão. “Entrar já foi um sonho concretizado. Mas ganhar era qualquer coisa que nunca imaginava ser possível”. Mas foi. Ganhou um carro, conheceu toda a nata da cozinha portuguesa e regressou a Pombal, onde diariamente faz girar a cozinha. Dizem que é especialista em risoto. Patrícia anui e sorri, enquanto solta o cabelo. Nas horas vagas continua a pintar, de preferência campos de flores, sobretudo papoilas, as suas preferidas.


Um prato de outono da chef:

Bacalhau fresco com lasanha de abóbora

A cada estação a carta do Sazonal muda, “tal como nome indica”. Patrícia incluiu este outono uma novidade: bacalhau fresco com lasanha de abóbora, guarnecido com espinafres, molho de espumante e nozes. O hábito de trabalhar com bacalhau fresco foi trazido da Bélgica. O prato tem feito sucesso. “Começa na frigideira, onde inicialmente é selado, e depois termina no forno”, conta a cozinheira, que dispensa ser tratada por chef.

O bacalhau fresco com lasanha de abóbora, espinafres, molho de espumante e nozes.

De resto, a abóbora faz parte do rol de acompanhamentos nos diversos pratos. Também usa beringela, couve-flor, brócolos, batata-doce, e por esta altura muitos cogumelos – é bastante apreciado o risoto com a mistura deles. “Antes de mudar a carta faço algumas experiências, que começam acompanhadas d’‘O dicionário dos sabores’.” É assim que chega aos pratos que atualmente compõem a oferta do Sazonal, em que se destaca o borrego em lombinhos com risoto de cogumelos, o bife com batata rústica.

Também a carta de sobremesas vai acompanhando a mudança de estação. Por esta altura, quem for ao Sazonal encontra natas do céu à moda de Jeremy, petit gâteau feito na hora com gelado, e tarte de maçã caramelizada com creme de baunilha e lima.

Algo está a fazer com que o sistema não consiga mostrar a ficha ténica desejada. Pedimos desculpa pelo incómodo.




Outros Artigos





Outros Conteúdos GMG





Send this to friend