Miguel Castro e Silva desceu à terra e abriu o Mercado Café

Depois de nos últimos meses ter aberto um restaurante no último piso da Pollux e outro no do hotel The Lumiares, Miguel Castro e Silva volta às novidades. Desta vez, porém, ao nível do chão, no novíssimo Mercado Café.

O início do verão foi fulgurante para Miguel Castro e Silva. Quase de uma assentada, o chef portuense de 56 anos abriu dois restaurantes em Lisboa: Less e Lumni, ambos no topo de edifícios imponentes, o primeiro na sede da Pollux, na Rua dos Fanqueiros, o segundo no hotel The Lumiares, antigo Palácio dos Condes de Lumiares, na Rua de São Pedro de Alcântara. O terceiro, o Mercado Café, no piso térreo do mesmo edifício, já estava prometido para a rentrée. E abriu na semana passada, sem grande alarido.

Sem alarido e ainda sem a fiambreira Berkel que chegará muito em breve para fatiar os presuntos e enchidos alentejanos disponíveis numa das vitrinas da sala, lado a lado com os queijos curados de ovelha de Alcains (Casa Cabeço Carvão) ou os de cabra da Soalheira, entre outros. Isto numa das metades do espaço, dividido em dois pelo hall de entrada no hotel — para a direita a cafetaria, para a esquerda o restaurante. «Servimos exatamente as mesmas coisas num lado e noutro, apesar desta divisão», avisa Castro e Silva.

O espaço está aberto para a Rua de São Pedro de Alcântara. (fotografia: Tiago Pais)

E o que servem? «Uma cozinha portuguesa informal, que me está no ADN já há muitos anos», esclarece o chef. Prova disso mesmo são as empanadas de atum (6,50 euros) que já fazia no Bull & Bear há 15 anos ou as saladas compostas (7,50 euros) que estavam na carta da Quinta do Vales, o primeiro restaurante que abriu, já lá vão mais de 25 anos. Tanto umas como outras fazem parte da oferta deste Mercado Café.

Mas há mais. Castro e Silva destaca as Padinhas (5,50 euros), sanduíches em pão de Mafra cuja composição vai mudando diariamente, e os hambúrgueres (8,50 euros), servidos no mesmo pão, levam 30% de carne maturada na mistura. Também há opções para refeições mais prolongadas e substanciais, muitas delas fazem também parte do seu repertório há vários anos, caso das iscas do cachaço de bacalhau (7,50 euros), do arroz de vitela com cogumelos, (10,80 euros), ou do pica-pau (7,50 euros), que não é do lombo antes do lombelo, um corte tenríssimo e saboroso junto ao diafragma do bicho.

O tenríssimo pica-pau de lombelo, servido com molho a preceito. (fotografia: Tiago Pais)

Nas duas salas o movimento já é evidente desde a abertura. E nem seria de esperar outra coisa, não só pela localização, no centro do eixo Príncipe Real-Chiado, mas também pela boa pinta do espaço, com cozinha aberta na metade restaurante. «Queremos que isto seja descontraído, um sítio onde se possa almoçar às quatro da tarde», afirma o chef, que não quer ouvir falar de espaços novos por uns tempos. «Daqui a uns dias vou de férias, que também mereço.» Merece pois.

Mercado Café

Rua de São Pedro de Alcântara, 33, Lisboa
Tel.: 211160200
Todos os dias, das 10h00 às 00h00 (restaurante funciona das 12h às 00h)
Preço médio: 20 euros
Web: www.thelumiares.com