Há uma francesinha “africana” para comer na Boavista

A Boavista House dá palco aos sabores cabo-verdianos e moçambicanos ao sábado e, de resto, serve pratos portugueses sempre com algo de diferenciador. Seja qual for a escolha, a cultura é o condimento final.

Carla Pinto nasceu em Portugal, filha de mãe cabo-verdiana e de pai moçambicano – a mãe é Eugénia Maia e o pai Ricardo Pinto, que, como lembra, foi jogador do Futebol Clube do Porto. Se se fala das suas raízes, é porque foi a elas que Carla recorreu para recriar a Boavista House: o espaço passou de cafetaria a restaurante com oferta de pratos portugueses e africanos, estes últimos preparados por Eugénia.

«Também se pode ficar por terras lusas, mas o objetivo é levar o cliente a fazer uma viagem pelos sabores de Cabo Verde e Moçambique», explica Carla. Do país-arquipélago chegam o bife de atum e a cachupa, por exemplo; e de Moçambique o caril de amendoim de carne ou a matapa de camarão, disponível também em versão vegetariana. Pontualmente, podem ainda surgir propostas típicas de outros países africanos.

A ementa alusiva a África só está disponível ao sábado à noite, altura em que o staff se veste em conformidade, usando capulanas. Nos outros dias, sábado incluído, aposta-se na cozinha portuguesa, mas com algo «diferenciador». A francesinha, que «tem um ingrediente africano» secreto, o frango no papillote, o arroz de dourada e o bacalhau d’alheira são alguns exemplos.

A nova vida da Boavista House também inclui momentos de cultura: o restaurante recebe exposições de fotografia e tem noites de música ao vivo, em datas que vão sendo anunciadas. A ideia é ter ali, duas vezes por mês, ao sábado, música africana; à sexta, jazz, blues e bossa nova; e, à quinta, fado. A próxima sessão – de fado, justamente – é no dia 5 de julho. Quem preferir algum recato encontra uma esplanada sossegada no piso superior. «Aqui, parece que nem se está na zona da Boavista», diz Carla, mostrando o recanto. «A ideia é mesmo desligar da rotina.»

 

Partilhar
Mapa da ficha ténica
Morada
Rua Nossa Senhora de Fátima, 495 (Boavista)
Telefone
226065247
Horário
Das 12h00 às 15h30 e das 19h30 às 22h30. Encerra de segunda a quarta ao jantar e ao domingo
Custo
() Preço médio: 20 euros


GPS
Latitude : 41.1584874
Longitude : -8.62763910000001

 

Leia também:

Petiscos à moda antiga para provar na Boavista
Vai nascer uma ribeira em 2020 na Avenida da Boavista
O novo brunch da Boavista serve-se no Ponto 2