Crítica de Fernando Melo: Elvira Restaurante, Braga

O tempo vai confirmando as apostas que vamos fazendo. Venha donde vier, verá que vale a pena quem se puser a caminho só para se sentar e debicar os petiscos deste incrível reduto de excelência. Bom produto, carta de vinhos recheada, conforto a toda a prova sobretudo uma família que nos adopta na primeira visita.

Elvira Silva é o nome da casa, da alma e da memória mais importante com que ficamos depois da primeira visita. Acaba de abrir uma quarta sala no restaurante que tem às portas de Braga e em nada mudou o facto de agora poder fazer frente a cerca de 200 pessoas sentadas. Pequenina de alma gigante, fez desde o início da ventura o inteiramente simples, que foi mobilizar a família direta para a casa, em funções diferentes.

Na cozinha, a irmã Glória gere uma brigada de monta e processa bacalhau, polvo, novilho, porco preto, peixe fresco – fresquíssimo – e cascaria que diariamente chega das proveniências escolhidas. Bolinhos de bacalhau exemplares, como em casa e como se não houvesse mais ninguém para servir além de nós. Trabalho brilhante de coreografia de sala, o desempenhado pelos irmãos Rui, Carlos, Vera e pela sobrinha Isabel.

A configuração e disposição das mesas foge totalmente à regra da restauração clássica, opção clara feita pelo conforto e por um conceito de lounging do conhecimento e agrado de Elvira, que prolonga noite a dentro. Das doces terminações trata Otília, também irmã da grande empresária. Tentemos ir por ordem e resistir à tentação de comer tudo o que há. E eu digo mesmo a quem não gosta muito que são obrigatórios os filetes de pescada fresca (28 euros, duas pessoas) e inesquecível a cabeça de pescada cozida (27,5 euros, 2 pessoas).

Estamos em Braga e há que conferir o bacalhau assado na brasa com batata a murro (29,5 euros), satisfação e gozo assegurados, mas é pena não provar os filetes de polvo com arroz de grelos (27,5 euros), este último feito no céu. Grande ideia a de Glória Silva ao criar o arroz de robalo com gambas (35 euros, 2 pessoas), momento sem dúvida inspirado. No lado carnívoro, o lombo de boi na brasa (16 euros) é rei e senhor, há que pedir mal passado para lhe sentir devidamente a qualidade e as nuances de sabor.

Brilhantes e consensuais os bifes de porco preto com arroz de feijão (27,5 euros, 2 pessoas), fundamental uma investida pelo menos. Nos doces proponho o trio pudim abade de priscos (4 euros), feito a sério e na forma canónica; a nata de chila (2,4 euros), delícia de Otília Silva; e – perdoem-me os que desvalorizam – a tarte de bolacha gelada (3,8 euros), doçura e ternura que não se esquecem. É ir e jurar que voltam no dia seguinte. Não volta, mas quando se volta é como se a última vez tivesse sido ontem. Esta família é fogo, Elvira é gigante.

Classificação
O espaço: 4
O serviço: 5
A comida: 4,5

A refeição ideal
Filetes de pescada fresca (28 euros, 2 pessoas)
Bacalhau à Elvira (29,5 euros)
Taco de lombo de boi na brasa (16 euros)
Pudim abade de priscos com Porto 10 Anos (7 euros)

 

Partilhar
4.5
Avaliação
Partilhar
4.5
Avaliação
Mapa da ficha ténica
Morada
Rua da Marginal, 70, Palmeira, Braga
Telefone
253628938
Horário
Das 12h15 às 15h00 e das 19h30 às 22h30. Encerra domingo ao jantar.
Custo
(€€) Preço médio: 27 euros


GPS
Latitude : 41.6018925
Longitude : -8.43632660000003