Na linha de Cascais, este sushi de fusão faz sentido

Na Linha de Cascais, já há quem conheça bem o Be Sushi pelo sushi ao domicílio, mas há motivos para visita presencial nesta casa pequena no discreto bairro da Rebelva. E lugares de balcão, para assistir a tudo o que se passa na bancada de trabalho.

Fusão é palavra com que importa ter alguns cuidados. Em particular quando o assunto é sushi: sem mais contexto, pode significar um genérico rolinho de salmão, fruta e queijo-creme. Ou o sushi que é procurado por quem não é grande freguês de sushi. E não é isso que o chef Sebastião Coutinho e a sua brigada fazem no Besushi. É certo que o salmão abunda – porém com cuidado na proveniência e redobrada atenção no manuseamento – e que, pelo meio da carta, lá se encontrará um ou outro maki com Philadelphia. «Mas é só porque temos clientes que pedem, não é a nossa escolha, quando há tanto que podemos fazer», justifica Sebastião, que além de estar do outro lado do balcão, de faca na mão, é também sócio (um de cinco) e fundador deste restaurante aberto em 2015.

Ainda sobre a fusão, esclarece o chef, «o que me faz sentido é fundir com a cozinha portuguesa». Ou, por outras palavras, trazer para a bancada a flor de sal, o limão, os coentros. Isto em adição ao peixe, sempre que possível da costa portuguesa, e procurando assumir uma postura pedagógica perante o cliente, procurando direcioná-lo para espécies como carapau, robalo, sarrajão, pampo, em detrimento do atum ou do salmão.

O chef Sebastião Coutinho

 

Desde logo o miso, que também há na versão clássica, apresenta uma variação bem-vinda com lima, camarão e os coentros. Há imensidão de sabor no tártaro de carapau com gengibre e alho-francês, e no sashimi especial, que mesmo nos vezeiros salmão e atum apresenta uma versão tataki, o primeiro com coentros, limão e flor de sal, o segundo em pasta de soja, citrinos e alho-francês frito e desidratado. A carta é grande, cansativa de enumerar ao detalhe, mas merece ainda menção final o «sashimi» de polvo cozido com flor de sal de azeitona. Simples, tenro, cheio de frescura.

 

Dito isto, não vale a pena ir com o bloco de notas atrás. Basta pedir ao chef o menu de degustação de 25 euros e, caso a gula persista, pedir-lhe diretamente dicas daquilo que o dia trouxe de melhor. Isto, claro, deixando para lá as mesas e tomando um dos onze lugares ao balcão. É com vista para a bancada de trabalho que este sushi sabe melhor.

 

Partilhar
Partilhar
Mapa da ficha ténica
Morada
Rua de Braga, 57 A, Rebelva, Carcavelos
Telefone
215885051
Horário
Das 12h00 às 15h00 e das 19h00 às 22h30; sexta e sábado, até às 23h00. Encerra domingo ao almoço e à segunda.
Custo
() Preço médio: 30 euros

Website

GPS
Latitude : 38.6959549
Longitude : -9.34119940000005

 

Leia também:

Lisboa: neste cinema já se pode pedir sushi
Há um novo sushi com all you can eat em Lisboa
Há novos motivos para almoçar no Avenida Sushi Cafe




Outros Artigos





Outros Conteúdos GMG





Send this to friend