A união de vinho do Porto e piza napolitana que vai dar que falar

O chef italiano Antonio Mezzero vive em Portugal há 10 anos e abriu em Matosinhos a primeira pizaria napolitana certificada do país. A propósito do Port Wine Day, aceitou o desafio de harmonizar vinho do Porto com piza napolitana, a convite do Instituto dos Vinhos do Porto.

Antonio Mezzero nasceu em Nápoles, mas vive em Portugal desde 2008. Em 2013 abriu a pizaria Pulcinella (Avenida Menéres, 390, Matosinhos. Tel: 229382806). Foi a primeira pizaria em Portugal a ter um certificado da Associação da Verdadeira Pizza Napolitana, e continua a ser a única no norte do país.

Porque é que não se tinha, até agora, feito uma harmonização de piza napolitana com vinho do porto?
Porque não é fácil fazer uma combinação com vinho do porto. O vinho do porto é algo muito especial, assim como a piza napolitana. Têm uma história associada. Por isso, para mim, o ouro de Portugal é o vinho do porto, e o ouro de Itália é a piza napolitana. Estou convencido que isto é um casamento muito especial. As duas nações são muito parecidas, são vizinhas no mundo, são amigáveis. E eu acho que esta união do vinho do porto com a piza napolitana vai ser falada pelo mundo.

Antes deste desafio, já tinha pensado nisso?
Quando participei no Campeonato Mundial [de Pizza], no ano passado, percebi que cada vez mais se está a apreciar a piza com o vinho. Quando cheguei, disse ao senhor Manuel Cabral [presidente do IVP] que gostava de fazer um evento com vinho. Mas este evento não foi planeado, só há dois meses soube que iria participar mas gostei muito. Sinto-me português, estou cá há quase dez anos, e queria fazer um evento em Portugal que ficasse para mim e para os portugueses. No início, a ideia era fazer algo com vinho do Douro, mas depois Manuel Cabral perguntou-me se queria fazer um evento com vinho do porto. E fiz três pizas.

Quais são elas?
São a Passione, a Qualittà e a Arte. A Passione, tipicamente portuguesa, leva alheira de caça DOP, queijo da Serra DOP, agriões da terra e um Porto Tawny Reserva reduzido, do género do balsâmico que se usa em Itália, e mozzarella, a Qualittà, que é uma Margherita com pepitas de ouro alimentar, que harmoniza com Porto LBV, e a Arte, uma piza branca, sem molho de tomate, com sabores fortes e intensos, tipicamente italianos, como o pistácio, a mortadela, rúcula, cogumelos boletus e mozarella. Fica muito bem com um vinho branco, neste caso, com Porto Branco.

O que é preciso para fazer esta harmonização em casa?
Quem poderá responder melhor a essa pergunta são os enólogos. Mas acho que devem ter sabores selvagens, sabores fortes. Além de terem de ser sabores fortes, os produtos têm que combinar. Por exemplo, carne com queijo. Uma piza combina muito bem com vinho do porto por causa dos queijos. Além disso os produtos têm de ser de muito boa qualidade.

As pizas e os vinhos já estão na carta do restaurante Pulcinella?
A Qualittà e a Arte, já, com nomes diferentes. A de alheira vai entrar na próxima ementa, até ao final do ano. Os vinhos vão entrar em breve.

Podemos esperar mais pizas portuguesas na carta?
Sim. No futuro a carta vai ter duas a três pizas com ingredientes portugueses de topo. O meu objetivo é chegar aos 50% de pizas portuguesas e 50% italianas, e não vai demorar muito.

 

Leia também:

Uma corrida de cerveja e visitas a fábricas. Vem aí a Beer Week
Entrevista ao dono da Pão Nosso: “O pão de hoje em dia podia ser muito melhor”
Entrevista a Hélder Sousa: «As pessoas olham para a comida como uma coisa desenhada»