Depois do Estoril já se pode comer sushi do Saiko em Lisboa

O Saiko já tinha uma morada no Estoril, mas quis o público fiel ao sushi de «fusão sem confusão» do chef Péricles Lacerda que abrisse, em finais de 2017, um restaurante-irmão bem no centro da capital.

Tudo começou com uma boa refeição – por vezes, é quanto baste, para que se faça luz e tudo mude. Tiago e Rita Machado estavam de regresso após de sete anos a viver em Espanha, e saíram de casa com vontade de sushi. Calharam a desembocar no restaurante onde oficiava o chef Péricles Lacerda. «Em Madrid nunca comi sushi como o dele», lembra Tiago. Não hesitou: no final da refeição, pediu para falar o chef e desafiou-o logo ali a abrirem um restaurante juntos.

Isto deu-se em outubro de 2016. Nem meio ano depois, estavam a inaugurar o primeiro Saiko, no Estoril – Tiago, Rita e Péricles, que trouxe consigo o fornecedor de peixe com quem trabalha há coisa de uma década, fator crítico de sucesso. Estavam reunidas as condições e o feedback do público foi encorajador: tinham de abrir também um restaurante em Lisboa.

O Saiko «caçula» chegou ao Campo Pequeno no final de 2017. Ocupa o espaço onde estava a Hã Burgaria, uma das lojas com entrada de rua e esplanada à frente. À entrada, estão os balcões de cozinha, e a brigada do chef Lacerda a fazer as vezes de comitiva de boas-vindas. A sala fica no piso de cima, com as mesas junto às janelas de arco em tijolo burro. «Fiz um restaurante para mim e para a minha malta», diz Tiago. «Um sítio onde a gente se sinta bem e o preço não seja exagerado.» Ainda que, entenda-se, os Machado não pretendam entrar no campeonato do buffet livre a preços de combate, antes encontrar um bom compromisso entre a integridade da matéria-prima, a atenção ao serviço e a fatura final.

A toada dominante é a da fusão, mas fugindo à barafunda no prato. «Não é meter qualquer coisa com qualquer coisa», diz o chef. «Trata-se de trabalhar combinações prováveis.» O salmão domina a oferta, e é um peixe que continua a ter muita procura, mas Péricles não deixa de trabalhar outros pescados, da costa portuguesa na sua maioria – pampo branco, lírio, encharéu, salmonete-de-fundo, enxaréu, atum yellow-fin e blue-fin. A dourada e o robalo, evita-os, «tornaram-se muito comuns». E a fruta também é coisa que está a deixar de usar.

Servem de exemplo à fusão de Péricles Lacerda o usuzukuri, um corte mais fino do que o sashimi, que junta salmão, atum e um peixe branco, com molho ponzu e ervas aromáticas, uma ponte entre Oriente e Mediterrâneo. Nos rolinhos hakusai, põe lado-a-lado (ou sobrepostos) pasta de salmão, flocos de milho e couve lombarda, aproximando o sabor português e o japonês. E o temaki especial junta camarão, salmão, tomate seco, sweet chili. A carta é longa, e inclui também capítulos de gunkan, maki, uramaki, sushi quente, massas e grelhados na chapa. Um menu à prova de aborrecimento, para quem, como Tiago Machado, se deixar viciar pelo sushi do chef Péricles.

 

Partilhar
Mapa da ficha ténica
Morada
Praça de Touros do Campo Pequeno, loja 602 (Campo Pequeno), Lisboa
Telefone
911182973
Horário
Das ​12h00 às 15h00 e das 19h00 às 23h00. Não encerra
Custo
(€€€) Preço médio: 30 euros


GPS
Latitude : 38.742830597062095
Longitude : -9.145541490282426

 

Leia também:

Novo restaurante de Lisboa tem sushi com carne
Os sabores do sushi para provar em 8 restaurantes de Lisboa
Lisboa: Novo «fondue à japonesa» no Avenida SushiCafé