6 vinhos do Douro e do porto que deve provar

Vinhos de perfis diversos, das quintas Bons Ares, Bom Retiro e Ervamoira, com uma abordagem orientada para o prazer imediato e a permitir guarda em cave por duas ou três décadas mais.

Adriano Ramos Pinto fundou a casa exportadora de vinhos do porto em 1880 e o seu nome continua a ser a grande marca de que a empresa dispõe em todo o mundo. Dotes notáveis de comunicador, investiu muito esforço e dinheiro nos principais ateliers de publicidade da Europa, criando um manancial tal que ao longo de um século praticamente não foi necessário criar novas imagens.

Recomenda-se a visita ao museu da publicidade Ramos Pinto para tomar devidamente o pulso à força de mercado que o fundador imprimiu a todas as frentes de negócio. Em 1990, a Ramos Pinto foi comprada em 1990 pelo Grupo Roederer – produtor entre outros do célebre champanhe Cristal – e nessa altura temeu-se a perda da identidade. Nada mais errado, João Nicolau de Almeida assumiu a presidência, que depois passou para Jorge Rosas, levando a marca Ramos Pinto cada vez mais longe e de forma mais sólida.

Quisemos sentir o pulso à casa e nada melhor do que provar os vinhos do Douro e do porto que se fazem. Resultado francamente animador, o vinho do Porto merece e nós também.

 

Leia também:

«A força da paisagem vai ajudar à afirmação dos vinhos do Douro»
Moimenta: Em terra fria, aquece-se com vinho e gastronomia
Estes são os 7 vinhos que deve provar em 2018