Uma floresta que brilha no outono para descobrir em Arganil

(Fotografia de Carlos Jorge Monteiro/GI)
Situada no coração da Serra do Açor, a Mata da Margaraça mostra ao visitante como era este território antes da intervenção humana.

Classificada como Reserva Natural e Reserva Biogenética do Conselho da Europa, a Mata da Margaraça é um dos mais bem preservados exemplos da floresta primitiva que cobria estas serranias xistosas. Foi outrora uma das mais importantes áreas agrícolas da freguesia da Benfeita, Arganil, onde ainda é possível observar um moinho de rodízio horizontal junto à ribeira, bem como uma antiga represa e levada de água, mas com o abandono dos terrenos, a floresta foi recuperando o que era seu.

Hoje abundam por aqui carvalhos, castanheiros, azevinhos, ulmeiros, nogueiras e cerejeiras, que dão um plácido encanto bucólico a este passeio, durante o qual se impõem, também, uma visita atenta ao pequeno núcleo museológico da Casa da Eira. Está referenciada desde a segunda metade do séc. XIII e dela saiu madeira para o retábulo da Igreja da Sé Nova (Coimbra) ou para a construção de uma antiga ponte sobre o Mondego, em Coimbra.

Atualmente é uma das mais notáveis florestas de folha caduca existentes em Portugal, que se desenvolve numa encosta entre os 600 e os 850 metros de altitude, onde abundam árvores como carvalhos, castanheiros, cerejeiras, azevinhos, freixos, nogueiras, loureiros ou arbustos como o folhado e o medronheiro, entre muitos outros. Mas há outros tesouros, bem mais raros e aos quais também convém estar atento, como as várias espécies de orquídeas, algumas delas bastante raras, que se abrigam nesta mata.

5 PERCURSOS
A entrada na Mata da Margaraça é gratuita e no seu interior existem 5 percursos pedestres, que possibilitam conhecer ao pormenor toda esta área protegida. O ICNF disponibiliza ainda um serviço pago para visitas guiadas. Pode ser visitada ao longo de todo o ano, mas é na Primavera e no Outono, que este território se revela em todo o seu esplendor.

A FRAGA DA PENA
A poucos quilómetros da mata da Margaraça, a cascata da Fraga da Perna é uma das mais belas da Serra do Açor, com a sua sucessão de quedas de água, a última das quais com mais de 20 metros, que se precipita da fraga formando uma encantadora piscina natural.

AGENDA

– Tour Fotográfico do Terreiro do Paço ao Gingal, Lisboa e Almada (23 de setembro)
Este passeio fotográfico, liderado pela fotógrafa amadora Susana cândido, tem início na Praça do Comércio, onde se encontra um dos locais mais fotografados da cidade: o Cais das Colunas. Prossegue depois pela Ribeira das Naus, em direção ao Cais do Sodré, onde se apanhará o Cacilheiro até à outra margem, para apreciar o pôr do sol no emblemático Cais do Gingal.

– Shark Race, Torres Vedras (23 de setembro)
A praia de Santa Cruz, em Torres Vedras, recebe a última etapa da Shark Race, um circuito composto por três corridas noturnas de 8 km, realizadas à beira-mar. Parte das receitas reverte a favor da APECE e da Flying Sharks Research Fund, duas associações internacionais focadas na proteção dos tubarões e dos seus habitats, que lutam por desmitificar o medo por este animal.

– Passeio Interpretativo da Duna da Cresmina, Cascais (23 de setembro)
Este percurso dá a conhecer as dunas da Cresmina, que integram o complexo dunar Guincho-Oitavos. Este sistema dunar é bastante particular pois a areia proveniente das praias do Guincho e da Cresmina retorna ao mar mais a sul, após migrar sobre a plataforma rochosa aplanada do Cabo Raso.