Loa: Uma loja em Belém para ficar com os azeites

As garrafinhas de líquido dourado, premium e de pequenos produtores, são as protagonistas de um novo espaço dedicado ao produto, onde se encontram também bolachas, chocolates, infusões e queijo. Tudo com azeite.

Como se costuma dizer, em bom português, «os olhos também comem» e na Loa não é pouco. Podiam beber, é verdade, até porque diante da entrada estão um par de prateleiras onde se alinham garrafas de azeite, vestidas com embalagens que podiam ganhar prémios de design. Algumas já ostentam medalhas internacionais, como a Olmais, nascida em Trás-os-Montes, e que arrecadou logo no seu ano de estreia no mercado 10 prémios vindos de fora, de países como o Japão, Israel e Estados Unidos ou cidades, como Londres e Atenas. Ao lado está Angélica, com a fotografia da avó de Gonçalo Rosa da Silva, o neto que decidiu dedicar-lhe um azeite feito a partir de variedades galega, cordovil e verdeal, em Moura, no Alentejo.

Há uma história por detrás de cada um destes azeites, todos portugueses, virgem extra premium e alguns inclusive com selo DOP. Quem as ajuda a contar são Andreia Alves e Ricardo Faria, que de um blogue dedicado às particularidades do azeite passaram a este espaço dedicado ao «sumo de azeitona», como Andreia lhe chama. «Gostamos de comer bem, de estar à mesa com os amigos e sempre tivemos algum interesse e cuidado no momento de escolher um azeite. Muda completamente um prato», explica. O empurrão que faltava surgiu quando Ricardo, cansado do trabalho como engenheiro civil, resolveu dar o passo em frente.

Foram a lagares, conheceram pequenos produtores, fizeram formações, partilharam receitas e cozinharam muito. Desmistificaram o produto – a importância da acidez, o significado de refinado – e até o beberam, como se faz nas provas oficiais, nos copos azuis que não deixam perceber a cor do líquido. É uma das experiências que têm para oferecer a quem os visita na Loa (Loucos por Azeite), em Belém. Aquece-se o copo com a mão, agita-se e bebe-se, sentindo o doce na ponta da língua, a amargura de lado e o picante ao fundo da garganta. Não é para todos, como diz o casal, e por esse motivo há sempre pão para fazer a prova.

Além das garrafas encontram-se nesta loja de azeites outros produtos que prendem os olhos. Como as colheres de pau feitas a partir de raízes de oliveira, os sabonetes de azeite do Alentejo, bolinhos, chocolates de azeite, infusões de oliveira, queijo curado e conservado no líquido dourado e até um creme para barrar. Difícil é não ficar louco por azeite.

 

Partilhar
Partilhar
Mapa da ficha ténica
Morada
Calçada do Galvão, 45A (Belém), Lisboa
Telefone
966345959
Horário
Das 10h00 às 13h00 e das 14h00 às 19h00. Encerra domingo.
Custo
() Preços: Garrafas de azeite entre os 7 e os 17 euros

Website

GPS
Latitude : 38.70127893807463
Longitude : -9.202843760713222

 

Leia também:

«Os restaurantes deviam ter uma carta de azeites»
O poder do azeite chegou a restaurante de Coimbra
Belém: roteiro no bairro que simboliza as descobertas



CONTEÚDO PATROCINADO