Ruy Leão: «Sou mais português do que brasileiro»

(Fotografia de Rui Oliveira/GI)
O chef nasceu no Recife, trabalhou em São Paulo e acabou por abrir uma tasca japonesa no Porto, a que chamou Shiko. No ano em que o 10 de junho se celebra entre Portugal e o Brasil, o chef explica o que pensa do país onde vive.

Depois de ter tirado o curso de cozinha no Recife e de lá ter trabalhado, acabou por ir para São Paulo. Como foi a experiência?
São Paulo é o pólo gastronómico do Brasil. Consegui um trabalho e fiquei um ano e meio com «vida de cigano». O ritmo era acelerado. Eu queria «levar no pelo» como dizem aqui. E levei! Era sushiman de primeira mas lá os ajudantes eram mais rápidos. Depois de um mês, apanhei o ritmo. Em São Paulo vi de tudo, como izakayas, tascas japonesas, que foram a inspiração para o Shiko. Como sou mais cozinheiro do que sushiman, a minha pesquisa envolveu tudo. Mas tem um lado ruim: aquela cidade acaba com uma pessoa. Muita confusão, muito trânsito. Tudo muito caro.

Como aconteceu a vinda para Portugal?
Eu tinha voltado ao Recife e não estava mal. Tinha um blogue onde escrevia e punha fotografias de comida. Um dia, liga-me um português de Guimarães. Disse que tinha um restaurante e que estava à procura de um sushiman. Depois da conversa nunca mais pensei nisso.

Tinha alguma relação com Portugal?
A única relação era um bar que no Recife que era de um português. Conhecia o caldo verde e o arroz de marisco. Nunca tinha ouvido falar em Guimarães. Nem nunca pensei em vir para a Europa. Tinha passado duas vezes por Lisboa mas só para apanhar o voo para Berlim, onde a minha mãe mora.

Decidiu arriscar.
Ao terceiro telefonema, percebi que era sério. A minha mãe incentivou-me. Se não corresse bem, fazia uma viagem pela Europa e ia ter com ela.

Qual foi a sua impressão dos portugueses?
Vi que eram pessoas acessíveis. Guimarães é uma cidade pequena e limpa, tudo está muito próximo. Conheci logo uma pessoa que trabalhava no cinema e fazia música. Começamos a falar de música e a tocar juntos. Interagi logo com as pessoas e gostei da oferta cultural que tem a cidade.

Depois veio a proposta do Quarenta e 4, em Matosinhos.
Eu já conhecia o chef Pedro Nunes porque era amigo do filho dele, que é baterista. Nem pensei duas vezes. Foi fácil trabalhar lá porque tinha tudo o que um cozinheiro deseja: desde trufas, barriga de atum… Fiquei lá três anos.

Gostou logo do Porto como de Guimarães?
O Porto é mais cosmopolita e parece-se muito com a minha cidade. Recife tem o rio, o mar. Como o Porto, tem um bairro antigo e escuro. Os meus grandes amigos portugueses estão em Guimarães. Quando quero beber um copo e divertir-me vou para lá.

Pensa regressar ao Brasil?
Não. Sou mais português que brasileiro. Defendo a minha raiz, não esqueço de onde vim, mas identifico-me mais com a cultura de Portugal.

UMA TABERNA JAPONESA NO PORTO
Ruy Leão abriu o seu restaurante japonês Shiko no Porto há dois anos. O chef baseou-se no conceito da izakaya, a taberna japonesa onde se serve saquê e diversos petiscos. Mas nesta também há sushi. Em breve, o Shiko terá um irmão mais novo, também no Porto, igualmente japonês mas com outro perfil.

Partilhar
Mapa da ficha ténica
Morada
Rua Sol, 238, Porto (Batalha)
Telefone
223239671
Horário
Das 12h30 às 15h00 e das 19h30 às 22h30. Até às 23h00 à sexta e sábado. Encerra ao domingo.
Custo
(€€) 30 euros


GPS
Latitude : 41.1434189
Longitude : -8.60771550000004


CONTEÚDO PATROCINADO