Crítica de Fernando Melo: Horta dos Brunos, Lisboa

Cozinha imaculada, a privilegiar a integridade do produto e a transparência do processamento culinário. Os toques regionais a que todos sucumbimos, vertidos em entradinhas, petiscos e pratos diversos. Paraíso de enófilos, coleção copiosa de whiskies e oferta generosa de gins. O que é que o Horta dos Brunos não tem?

Ao almoço aconselho o parque da Pascoal de Melo, ao jantar o táxi é o meio de transporte mais atinado, tanto pela exiguidade de espaço nas ruas que confinam o restaurante, como pela seriedade da empreitada que nos espera. Pedro Filipe é um dos mais originais profissionais de restauração de Lisboa e não dá tréguas a ninguém. Não é pessoa com que se empatize à primeira – há quem reaja mal às suas pequenas informalidades, como a de perguntar no fim quanto queremos pagar –, mas nunca a porta desta casa abriu sem que o melhor produto do dia – carne e peixe – estivesse pronto a trabalhar e servir. Os melhores fornecedores da capital conhecem-no bem, tiram fotografias com ele e convidam-no para casa deles nos dias festivos. Como os clientes, depois da primeira refeição passam a habitués e amigos para a vida.

Tudo começou quando Pedro veio de Tondela para Lisboa em 2001, gerir a casa que dois amigos, Bruno Pires e Bruno Esteves – donde o nome Horta dos Brunos – haviam aberto em 1998. Correu bem e em 2003 o jovem empresário fica com o restaurante para si. Mesas amplas, cadeiras preparadas para refeições longas, tudo respira e inspira conforto. A sua mulher Paula Montenegro é de São Martinho de Coura e juntos são dupla de respeito.

Gambas al ajillo (17 euros), amêijoas à Horta dos Brunos (17,50 euros), jaquinzinhos fritos (5,50 euros), salada de pimentos (4 euros) e presunto pata negra (16,5) são os pontos por onde proponho navegação no capítulo entradeiro, mas há bem mais donde escolher. Os peixes nobres estão presentes consoante o mercado e a época o permita, e a massada de peixe (38 euros, 2 pessoas) é mais do que recomendável. Há uma sopa de tomate com garoupa (19,50 euros) que é uma refeição deliciosa só por si e um bife atum (22,50 euros) de grande qualidade e técnica. Nas carnes pelo menos uma vez há que conferir o arroz de entrecosto com grelos (30 euros), pela viagem que proporciona, e os medalhões do lombo à Horta (23,50 euros), pela qualidade da carne.

A decoração da casa não deixa margem para dúvidas quanto à paixão de Pedro Filipe pelo vinho. Formatos diversos, caixas dos melhores vinhos nacionais, serviço impecável à mesa, respeito por temperaturas, tipos mais adequados de copo e aconselhamento acerca do melhor vinho para a refeição que vamos fazer. O resto é exploratório e depende do gosto de cada um. Vale a pena conferir a oferta de whisky e gin, verdadeiramente notável. Quem diria, numa esquina da Estefânia, quem diria, uma horta assim.

Classificação
O lugar: 4
A comida: 4,5
O serviço: 4,5

A refeição perfeita
Amêijoas à Horta dos Brunos (17,50 euros)
Pimentinhos de Padrón (4 euros)
Linguiça com cogumelos (4,50 euros)
Naco de vitela (23,50 euros)

 

Partilhar
Mapa da ficha ténica
Morada
Rua Ilha do Pico, 27, Lisboa (Estefânia)
Telefone
213153421
Horário
Das 12h00 às 15h00 e das 19h00 às 23h00. Encerra ao domingo.
Custo
(€€) 31 euros


GPS
Latitude : 38.7321344
Longitude : -9.13942940000004


CONTEÚDO PATROCINADO