Abriu um restaurante no Porto com comida para partilhar

O novo inquilino da praça Guilherme Gomes Fernandes, o Amor É, promete «muita inovação» na cozinha e uma apresentação irrepreensível, a preços democráticos.

Comodidade, comida e atendimento. É assim que o Amor É pretende conquistar os estômagos mais exigentes. «Fizemos uma ementa em que a ideia é a partilha. Propomos uma cozinha evoluída. Gostámos de coisas como cozinha molecular, [mercado de] San Sebastián à noite, alguma evolução na gastronomia. Mas servimos doses reduzidas, não tem de ser uma cozinha cara. E não é”», explica José Ribeiro, um dos sócios do Amor É e um dos rostos da Casa de Pasto da Palmeira e do LSD.

A fatura final não é tão pesada como se esperaria (os pratos mais caros custam 12 e 12,50 euros), sobretudo olhando à preocupação com a qualidade dos produtos e com o empratamento – alguns dos pratos usados no restaurante são mais caros do que comida que levam à mesa… «É um caminho para a próxima abertura, na rua da Picaria», revela o empresário.

Tânia Durão é a chef de serviço. Passou pelos restaurantes DOP, LSD e Cantinho do Avillez e estava de saída deste último quando José e os sócios pensavam o conceito do Amor É. Não hesitaram em agarrá-la e a chef, de 31 anos, até já tinha uma ideia de ementa. «Queria fazer uma coisa mais acessível para as pessoas, misturando a cozinha tradicional e a cozinha molecular, ter ingredientes que as pessoas normalmente só provam em restaurantes mais caros», explica a própria.

Oreos de bacalhau, cannoli de atum com alga nori, ovos com cogumelos amanteigados e parmesão, entrecôte maturado, arroz de rabo de boi, açorda de brioche com carabineiro e marshmallow de limão com recheio de framboesa são alguns exemplos de uma carta em que só mudarão os produtos da época. ; Os pratos estão divididos por ‘gavetas’ como “É Rápido” (para começar, enquanto se espera, embora o serviço se orgulhe de ser «muito rápido»), “É Aconchegante” («os que forram mais») ou “É Guloso” (as sobremesas). «É o pior restaurante do mundo para vir sozinho», resumo José Ribeiro.

Ao almoço, há sopa e é possível pedir os pratos da ementa normal bem como a “comida do pessoal”, em dois menus distintos, de 9,5 e de 11 euros. Nas bebidas, destaque para os vinhos, todos da Sogrape e quase todos disponíveis a copo. Os donos do Amor É – em que se incluem os proprietários do negócio que ali estava antes, O Prego da Baixa – queriam transformar «um corredor» numa sala com «diferentes ambientes no mesmo sítio» e ter «a cozinha à mostra». Um caderno de encargos a que o ateliê bracarense Central Arquitectos respondeu com distinção. A visita vale, portanto, pela comida e pelo espaço.

 

Amor É
Praça Guilherme Gomes Fernandes, 37/39 (Baixa), Porto
Tel: 914639052
Horário: De segunda a quinta e domingo, das 12h30 às 15h30 e das 19h30 às 23h; sexta e sábado até às 00h00
Preço médio: 20 euros



CONTEÚDO PATROCINADO