O regresso das noites do Kremlin a Lisboa

Nos anos 90 era uma das melhores discotecas do mundo. Esteve fechada e reabre agora – para satisfação de quem ali cresceu a ouvir a mais conceituada música eletrónica da noite lisboeta.

A nostalgia faz parte da genética dos portugueses. É o nosso fado. E sempre que recebemos notícias como a da reabertura do Kremlin, espaço mítico da noite lisboeta, sentimo-nos como numa viagem ao passado. Fechou portas em 2011 e reabre agora, aposta de um grupo de investidores que pretende manter a essência do espaço.

«As diferenças vão ser sempre muitas, apesar de mantermos o nome e de continuarmos no mesmo espaço, este convento, que achamos ser uma mais-valia e ter muito potencial», esclarece Filipe Martins, um dos promotores. «Mas o estilo de música vai continuar a ser o que era o Kremlin: música alternativa, sem entrar na vertente comercial.»

Longe vão os tempos em que os irmãos João e Gonçalo Rocha, filhos de João Rocha, antigo presidente do Sporting, decidiram abrir o espaço, em 1988, quando o grupo K, mais tarde proprietário da Kapital, dava cartas na vida noturna da cidade. O que mudou deste então neste espaço? «Temos um sistema de luzes novo que colocámos de forma a realçar as arcadas. O sistema de som também é novo e temos parcerias com todas as produtoras de Lisboa, o que vai dinamizar o espaço. Vamos também ter alguns DJ internacionais esporadicamente», explica Filipe.

Para já, vai abrir apenas nas noites de sexta e sábado, estando também disponível para eventos privados noutras datas, mas a situação pode mudar muito em breve. «Estamos em conversações para criarmos outros conceitos durante a semana – música mais alternativa, seja rock, anos 1980, r’n’b», diz o responsável, que pretende «habituar o cliente a vir mais cedo e o Kremlin passar a ser uma casa noturna e não diurna».

 

Kremlin
Escadinhas da Praia, 5 (24 de Julho), Lisboa
Web: facebook.com/kremlinpt
Tel.: 213932931
Horário Sextas e sábados, das 00h00 às 06h00
Preços: Gin 6-10 euros, whisky 6-10 euros, cerveja 3 euros.



CONTEÚDO PATROCINADO