Cervejas artesanais para beber em casa

Sommelier de cerveja, Marcos Praça mudou-se de Piracicaba, Brasil, para Portugal para implementar o projeto de um clube por assinaturas, serviço que leva a casa dos associados cervejas artesanais portuguesas e internacionais.

Quem experimenta cerveja artesa­nal raramente volta atrás», acre­dita Marcos Praça, o beer som­melier luso-brasileiro que está prestes a lançar o Clube da Cer­veja, formato inédito em Portu­gal, mas que no Brasil existe há já vários anos. Através da assinatura do serviço – feita online no site (que também funcionará como loja) – os clientes recebem pelo correio, todos os meses, uma encomenda com quatro cervejas seleciona­das por Marcos. «Vou trabalhar com cerve­jas diferentes daquelas que as pessoas estão habituadas, tanto portuguesas como estran­geiras, mas sempre de excelência», refere.

À disposição há dois pacotes: iniciante e avançado. A primeira entrega é já no final deste mês.Com as garrafas serão entre­gues descrições com a análise sensorial das bebidas escolhi­das (sobre a coloração, o aroma, o sabor), uma forma de ajudar quem quer começar a especia­lizar-se no assunto. Além disso, haverá também sugestões para harmonizações gastronómicas.

Marcos Praça começou a trabalhar há oito anos no mercado brasileiro de cerve­jas artesanais, quando este estava em pleno crescimento. Há uns três anos percebeu que em Portugal começava a existir um peque­no movimento de artesanais, o que lhe des­pertou o interesse. «Vi um grande potencial porque o país tem uma grande riqueza gas­tronómica», refere. «Existem uns 120 estilos diferentes de cerveja e, dentro de cada um, numerosas variações. Isso poderia ser muito importante num país que preza e vive a cul­tura de comer e beber», diz.

Depois de contactar os organizadores do ArtBeerFest de Caminha, foi convidado, no ano passado, a ir ao festival para apresen­tar cervejas brasileiras: «Acredito que foi a maior prova de cervejas brasileiras na Europa – levei umas 35 de sete cervejarias.» Quan­do voltou ao Brasil já tinha a de­cisão tomada: investir e trabalhar no mercado português. «Fiz bons contactos e bons amigos e iniciei logo o projeto que é hoje o Clube.» O beer sommelier fez várias pes­quisas, com as quais percebeu que só quem vive na Grande Lisboa ou no Grande Porto tem um acesso facilitado às artesanais.

Marcos está a negociar parcerias com ba­res e lojas de cerveja para conseguir que os associados tenham várias vantagens, como, por exemplo, descontos em determinados produtos. «Isso será sempre divulgado aos sócios através de uma newsletter. Mais para a frente, quero organizar encontros do Clu­be. Mas estes planos dependem do corpo que o clube for tomando», remata.

 

 

CLUBE DA CERVEJA PORTUGAL
Web: clubedacerveja.pt
facebook.com/ClubeDaCerveja.pt



CONTEÚDO PATROCINADO