Roteiro pela autêntica Afurada dos pescadores

Conhecida pela sua irreverência, a Afurada, uma pequena vila de pescadores na ponta de Gaia que toca o rio e o mar, está, discretamente, a tornar-se uma zona residencial alternativa. Mantendo o seu perfil piscatório e a alma agreste, a freguesia está a mudar e a ficar mais contemporânea.

Com lugares naturais de grande beleza, uma relação umbilical com o Douro (que vale a pena cruzar na barca Flor do Gás), um centro de memória muito interessante, bons restaurantes e ainda uma gente acolhedora que conversa a cada esquina, este é, sem dúvida, um passeio para se fazer sem pressa.

Nesta terra onde se parte do Douro para o Atlântico, homens e mulheres estão bem habituados aos riscos da vida no mar para trazer o pescado que lhes dá o sustento. A Afurada é uma freguesia com grande predominância no setor pesqueiro, do qual dependem mais de 500 famílias (tem cerca de 6500 habitantes), e a hospitalidade é uma das suas imagens de marca. O sol bate forte e, nesta mini-aldeia, jovens e menos jovens espraiam-se junto às soleiras das portas das casas, autênticas esplanadas privadas em espaço público, muitas delas já com o fogareiro preparado para a próxima refeição.

Sendo uma zona tão próxima do Porto e do centro histórico de Gaia, pode-se lá chegar de bicicleta e é nela que passeiam alguns turistas, enquanto espreitam hipóteses de locais para almoçar: embora seja desde há muito zona de eleição para os amantes de peixe grelhado, o incremento do turismo (que aqui ainda não é invasor) levou a que tenham surgido alguns novos lugares para comer.

Aqui e ali, uma peixaria, uma florista, um ou outro mini-mercado, um espaço de estética e cafés um pouco por todo o lado.

 

Aqui e ali, uma peixaria, uma florista, um ou outro mini-mercado, um espaço de estética e cafés um pouco por todo o lado. Tirando a restauração, o comércio não floresce por estas bandas mas os locais não se queixam: há muita oferta na chamada Afurada de Cima mas aqui é que se está bem.

Na Afurada, bom mesmo é passear por entre o bairro de pescadores, manter a cabeça para cima e observar os azulejos, muitos religiosos ou com motivos náuticos, tentar fazer alguma conversa para ouvir histórias de aventuras marítimas, e chegar-se um pouco mais ao leito do rio Douro, onde estão estacionadas as embarcações que levam os homens até ao sustento das famílias. Redes ao sol, algumas a ser remendadas, homens que fazem manutenção às embarcações, pequenas famílias amanham o peixe que vão servir às suas mesas. Para quem for de manhã cedo, ainda é possível assistir à chegada de alguns barcos. No Mercado local, pequeno mas honesto, vendem-se o peixe e frutas frescas. A Afurada ainda é autêntica e essa será talvez a sua maior qualidade.

Os curiosos pode passear-se junto às casas de aprestos, onde os pescadores guardam os seus materiais, e seguir até àquela que é outra das imagens de marca da zona, os muitos estendais construídos com paus, cordas e pedras.

 

Os curiosos pode passear-se junto às casas de aprestos, onde os pescadores guardam os seus materiais, e seguir até àquela que é outra das imagens de marca da zona, os muitos estendais construídos com paus, cordas e pedras. Sempre belos, com ou sem roupas a esvoaçar, e que não por acaso já foram objeto de milhares de fotografias. Mesmo ali ao lado, o já bem antigo lavadouro público, que há uns anos foi coberto por causa do frio dos meses de inverno, e ainda hoje usado pelas mulheres da freguesia. Os mais pequenos também não estão esquecidos e têm um colorido parque infantil para darem azo a todas as brincadeiras.

A Afurada é uma terra simples, mas partilha com a freguesia do Canidelo a Douro Marina, um edifício alvo e aparentemente altivo mas que está aberto a todos. Porto de recreio com 300 lugares de amarração para embarcações, reúne um conjunto de serviços e atividades acessíveis ao público em geral. Para além de poder admirar-se os barcos de maior ou menor dimensão ali atracados, esta infraestrutura inclui lojas e esplanadas, serviços para passeios de stand-up paddle ou de veleiro, uma academia de vela e ofertas de restauração sofisticadas, como é o caso do restaurante Carvão. Mas há outros, de peixe fresco e não só, na vila (ler em baixo).

A Afurada é uma terra simples, mas partilha com a freguesia do Canidelo a Douro Marina, um edifício alvo e aparentemente altivo mas que está aberto a todos.

 

Depois da hora do almoço, é a hora a que a Afurada se enche de mais gente. Esplanadas e restaurantes parecem acolher de bom grado o frenesim e o mesmo podem dizer Ofélia e Maria João, mãe e filha, que observam o movimento a partir de duas cadeiras junto à soleira da porta de casa. «Aqui houve um desenvolvimento muito grande depois das estradas novas. Restaurantes e cafés, também há muitos, e dá para todos», congratulam-se. Às duas afurandenses também agrada, «porque isto antes era uma coisa muito morta, só havia lojas para os homens beberem um copinho».

E se é bom ir à Afurada todo o ano, vale a pena fazer outro reconhecimento durante a animada festa de S. Pedro, o padroeiro da freguesia, que todos os anos leva ali milhares de pessoas para assistir ao fogo-de-artifício, a 29 de junho. A festa dura vários dias e um dos momentos imperdíveis é a procissão no mar com o andor do Sagrado Coração de Jesus. Tome já nota deste pretexto para regressar.

COMER E BEBER EM TERRA DE PESCADORES

Fica na moderna marina, entre a Afurada e Canidelo, o restaurante CARVÃO, um espaço centrado no peixe mas também na carne, sempre à base de grelhados. No espaço de Filipe Morais, que se divide ao longo de dois pisos envidraçados, a carta é elaborada pelo chefe Luís Américo. A zona térrea, onde pode apenas beber um copo, como por exemplo “o melhor gin tónico” (7€), torna-se em espaço ao ar livre durante os meses de verão. Há peixe a carvão, cataplanas, posta marmoreada e costeletão maturado, entre outras opções. O proprietário é também dono do FORNERIA SÃO PEDRO, uma pizzaria ali bem próximo onde tudo se faz em forno a lenha.

De volta ao centro da freguesia, difícil é escolher onde satisfazer a gula. No exterior do CAFÉ VAPOR os grelhadores não param de libertar odores do peixe mais saboroso. Aqui tudo é à base de grelhados e a porta só fecha ao domingo à noite. É um local popular, um café com várias mesas no exterior, e os pratos do dia (carne a 5€, peixe a 6€) levam muita gente até à casa.

Logo ao virar da esquina, está um dos mais concorridos restaurantes da Afurada, a TABERNA DE SÃO PEDRO. À sala original, foi acrescentado um espaço com dezenas de mesas. É grande mas não deixa de ser aprazível, também fruto da luz natural que penetra sem reservas. Na mão da mesma família há mais de 30 anos, recebe “desde o português até ao australiano”, atraídos pela qualidade a preços atrativos. Também aqui, sempre à base do peixe grelhado.

 

Morada
Rua Doutor Eduardo de Matos, 84, Vila Nova de Gaia
Telefone
227722736
Custo
(€€) 20 euros
Horário
Das 12h30 às 15h00 e das 20h00 às 23h00. Encerra à segunda-feira.


GPS
Latitude : 41.1412972
Longitude : -8.648869500000046
Partilhar
Mapa da ficha ténica
Partilhar
Morada
Rua da Praia, 602, Afurada, Vila Nova de Gaia
Telefone
967937297
Horário
Das 12h00 às 15h00 e das 19h00 às 23h00. Não encerra.


GPS
Latitude : 41.144835
Longitude : -8.645412699999952
Partilhar
Mapa da ficha ténica
Morada
Rua Costa Goodolfim, 42, Afurada, Vila Nova de Gaia
Telefone
961569281
Horário
Das 12h30 às 16h00 e das 19h00 às 22h00, domingo só abre ao almoço. Não encerra.


GPS
Latitude : 41.14406169999999
Longitude : -8.646197099999995
Partilhar
Mapa da ficha ténica
Partilhar
Morada
Rua da Praia, 27, Afurada, Vila Nova de Gaia
Telefone
930501087
Horário
Das 12h30 às 22h00, domingo só abre ao almoço. Não encerra.


GPS
Latitude : 41.1449508
Longitude : -8.644566299999951
Partilhar
Mapa da ficha ténica

 

Veja também:

6 sítios para descobrir em Vila Nova de Gaia
17 sugestões para conhecer Vila Nova de Gaia
6 restaurantes em Gaia para jantar à beira Douro



CONTEÚDO PATROCINADO