Já existe um mapa da arte contemporânea de Lisboa

Galerias, museus, fundações, associações: nenhuma morada foi esquecida na segunda edição do mapa de arte contemporânea da cidade, lançado no mês passado, com uma centena de espaços para descobrir a arte que cabe em Lisboa.

Desde há oito anos que, numa noite de setembro, as portas de espaços culturais se abrem de par em par na sétima colina de Lisboa. É o chamado Bairro das Artes, uma espécie de noite branca de galerias, com inaugurações simultâneas de exposições a acontecerem do Cais Sodré ao Rato. O mapa lançado para assinalar os espaços culturais nessa data acabaria por servir o ano inteiro os amantes da arte. Afinal, num só folheto estavam reunidos os principais locais da cidade ligados à arte contemporânea.

Foi então que a ideia surgiu a Cláudio Garrudo e Ana Matos, mentores do Bairro das Artes e fundadores da associação cultural Isto Não É Um Cachimbo. «Apercebemo-nos de que existia uma lacuna e que, ao contrário das grandes capitais europeias, Lisboa não tinha um mapeamento de todos os espaços expositivos de arte contemporânea com programação regular», explica Cláudio, adiantando que o projeto do Mapa das Artes esteve três anos na gaveta, antes de a Fundação Millennium BCP o concretizar em maio de 2016.

A segunda edição (primeira atualização, portanto) foi lançada há um mês e nesta encontram-se assinalados nada menos do que uma centena de espaços, entre museus, galerias mais pequenas, fundações e associações de arte contemporânea, algumas dedicados à ilustração ou à fotografia. O mapa pode ser consultado em mapadasartes.pt, mas também em formato de papel, gratuito e distribuído em todos os espaços mapeados, bem como postos de turismo e serviços municipais. Cabe no bolso e é ideal para seguir a arte pelas ruas de Lisboa.

 

Leia também:

Chegou a primeira cerveja mini artesanal portuguesa
Lisboa: 10 sugestões para um fim de semana ao ar livre
A rua de Alfama onde as tradições ainda são o que eram



CONTEÚDO PATROCINADO